domingo, 25 de dezembro de 2011

Malafaia elogia estratégia da Globo e critica Record: “não representa os evangélicos”


O pastor Silas Malafaia concedeu entrevista à jornalista Heloísa Tolipan, do Jornal do Brasil e comentou a estratégia da TV Globo de abrir espaços para os evangélicos.

Para o pastor, a Globo aproveitou um fértil terreno que estava inesplorado. “Eles não são bestas. A Globo não está fazendo este movimento por amor ou porque os evangélicos são bonitinhos, mas sim porque as pesquisas feitas pelo próprio canal mostram que a comunidade gospel cresce e pode ser maioria, em breve, neste país. Se ela realmente investir em festivais ou programas voltados para o povo de Deus – e tenho fé de que um dia eles chegarão lá- terei o maior prazer em ser parceiro”, analisou Silas Malafaia.

Em duras críticas à TV Record e ao Bispo Edir Macedo, Malafaia afirmou que “a Record não representa os evangélicos e nem mete medo na Globo. Edir Macedo sempre foi sectário. Quando estava na boa, dizia apenas que fazia parte da Universal. Quando dá dor de barriga, conclama todo povo evangélico”.

Durante a exibição do Festival Promessas, foi veiculado um comercial do pastor Silas Malafaia oferecendo produtos de sua empresa, a Editora Central Gospel, e sobre o evento, Malafaia elogiou e fez observações de detalhes que ao ver dele, deveriam ser melhorados, como por exemplo a cidade escolhida para a gravação do evento.

“-Primeiramente, o horário de transmissão foi perfeito: domingo, 13h, é o momento em que o povo chega da igreja e está em seu lar para o almoço; o casting de artistas estava excelente e, por fim, a produção com padrão Globo de qualidade não falhou. Negativamente, enxerguei a duração da gravação, realizada em um sábado, de 14h a 22h… um tempo muito longo de um dia em que as pessoas saem para fazer compras. Teria de ser de 17h a 22h. Segundo ponto negativo: a burocracia para a realização do evento deve ser antecipada, já que tiveram de alterar o local por problemas com a licença, transferindo da Praia do Flamengo para o Monumento dos Pracinhas, atrasando a divulgação nas rádios evangélicas e o timing de propaganda para conclamar o público para o evento. E, por fim, eu, particularmente, não daria o start neste projeto partindo do Rio e sim por São Paulo. O Rio tem muitos eventos gospel, já SP, menos. Mas no frigir dos ovos, valeu muito”, pontou o pastor da Assembleia de Deus Vitória em Cristo.

Fonte: Gospel+

Nenhum comentário:

Postar um comentário