segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Fator religioso é decisivo entre os republicanos nas primárias

Em um pequeno café do centro de Sioux City (Iowa, centro), uma centena de pessoas cerca Rick Santorum, o candidato republicano à Casa Branca e cristão conservador. Um pastor toma a palavra, a reunião eleitoral começa com uma oração.

"É preciso fazer a escolha certa", diz o influente pastor Cary Gordon da igreja protestante Cornerstone World Outreach de Sioux City falando sobre escolha do candidato republicano que enfrentará Barack Obama na eleição do dia 6 de novembro de 2012.

Os republicanos de Iowa, reunidos para o "caucus", assembleias de eleitores, votarão na noite de terça-feira (3), antes de uma longa série de primárias em cada estado até o fim do verão.

"Vamos enviar uma mensagem não só para a América, mas para todo o mundo", prega o pastor Gordon, que apoia a candidatura de Santorum, ex-senador e que tem feito nesta campanha o papel de defensor dos valores tradicionais cristãos.

Em entrevistas na televisão e em reuniões eleitorais, martela a mensagem de hostilidade ao casamento gay e ao aborto, mesmo em casos de estupro, e contracepção.

Os cristãos conservadores de muitas igrejas americanas protestantes (Luterana, Metodista, Batista e Menonita), além de católicos como Santorum, são peças-chave na eleição em Iowa, um pequeno estado agrícola dos Estados Unidos.

Um estudo do Instituto para o Estudo dos Americanos Evangélicos em Wheaton, estimou que o número de cristãos evangélicos nos Estados Unidos é de 30% a 35% da população, cerca de 100 milhões de pessoas.

Eileen Gordon, 62 anos, mãe do pastor, também apoia Santorum.

"Ele representa os valores morais que estão mais próximos do meu coração", disse.

"Acreditamos que a lei natural de Deus é sempre maior do que a lei dos homens", acrescentou. "É por isso que não acho que nós podemos fazer uma lei que permita o casamento entre dois homens".

Gerald Pallensen, 83 anos, veterano da Segunda Guerra Mundial, acredita "nos laços do sagrado matrimônio".

"A pessoa existe desde a concepção, eles vão usar o meu dinheiro dos impostos para o aborto. Eu sou absolutamente contra isso", afirma Pallensen, referindo-se as recentes propostas dos democratas, como parte da reforma na saúde.

Rick Santorum não está sozinho em querer seduzir este eleitorado, importante base do Partido Republicano. O governador do Texas, Rick Perry, e a representante de Minnesota, Michele Bachmann, afirmam ser muito religiosos e têm se centrado na religião.

Brad Zaun, um político local de Iowa que aconselha Bachmann, confirmou: "a bordo do ônibus (de campanha) ela reza. Ela não esconde suas crenças".

Perry, um ex-piloto da Força Aérea, contou recentemente como a religião o ajudou a voltar para o "caminho certo" quando retornou à vida civil.

Por sua vez, Jennifer Bowen, líder a associação anti-aborto Right to Life (direito à vida) em Iowa, recusou-se a apoiar um determinado candidato. Mas, afirma: "o candidato que não queremos apoiar de maneira nenhuma é Barack Obama".

"Você sabe, o dinheiro dos contribuintes não deve ir para a indústria do aborto", disse.

DA FRANCE PRESSE
FONTE; folha.com

Um comentário:

  1. os poblicanos tem o direito de antis de morrer no pecado saber que jesus poderia ter os libertado**

    ResponderExcluir