quinta-feira, 8 de março de 2012

Bispo Edir Macedo afirma que só quem é “dizimista” prospera e que atitudes erradas atraem maldição

Bispo Edir Macedo afirma que só quem é “dizimista” prospera e que atitudes erradas atraem maldição


A questão do dízimo entre os cristãos sempre levantou polêmicas, por causa das diversas interpretações apregoadas pelas mais diversas igrejas.

O bispo Edir Macedo respondeu à dúvida de um leitor do site oficial da Igreja Universal do Reino de Deus sobre o assunto, e afirmou que “o dízimo são os primeiros 10%”.

A pergunta do leitor do site Arca Universal era se ele seria amaldiçoado por deixar de dizimar em ocasiões específicas: “Bispo, eu sou dizimista, mas tem mês que eu não consigo ser, porque pago todas as contas e quando vejo o dinheiro acabou. Eu estou amaldiçoado por isso?”, questionou.

Macedo respondeu dizendo que “quando nós recebemos o nosso salário, os primeiros 10% devemos oferecer a Deus. E essa atitude é uma questão de fé, de lealdade, de submissão, de reconhecimento a Deus pelo que Ele tem nos dado. Mas, nem todos creem nisso, principalmente aqueles que têm o coração no dinheiro”.

O líder da IURD afirma na sequência que só prospera quem oferta o dízimo e é fiel a Deus. “Se você quer prosperar, comece a ser dizimista. Se você quer que Deus seja fiel a você, primeiro você deve ser fiel a Ele. Não é assim que agimos entre nós?”, pergunta Macedo, explicando que não adianta apenas separar o dízimo: “Os primeiros frutos são de Deus. Por exemplo, se você ganhou 10 milhões de reais, gastou o primeiro milhão com você e só depois vai à igreja devolver os dez por cento, ou quem sabe entregar até os 9 milhões restantes, isso não será considerado dízimo. O dízimo são os primeiros 10%”.

Ao final de sua resposta, o bispo Edir Macedo esclarece a dúvida do leitor sobre maldição, dizendo que os fracassos são consequências de escolhas erradas: “Deus não amaldiçoa ninguém, nós somos amaldiçoados pelas nossas próprias atitudes erradas que tomamos, quer creia em Deus ou não”.

Redação Gospel+

Nenhum comentário:

Postar um comentário