segunda-feira, 23 de abril de 2012

Magno Malta afirmou que vai processar o petista Julian Rodrigues por causa de nota o acusando de homofobia


O senador evangélico Magno Malta (PR/ES) afirmou que vai exigir uma retratação judicial do coordenador nacional setorial LGBT do PT, Julian Rodrigues, por afirmar em nota oficial que ele é fundamentalista e homofóbico.

Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
Magno Malta demostrou indignação ao ler, na tribuna do plenário, trechos da nota do setorial LGBT do PT, assinada por Rodrigues, que em um trecho afirma que “para a perplexidade da militância petista e de todo o movimento social LGBT brasileiro, assistimos ao senador Lindbergh Farias se somar ao fundamentalista e homofóbico Magno Malta na defesa de Silas”.


A nota dizia ainda que “a fala do companheiro Lindbergh se torna ainda mais grave por ignorar e desconsiderar o cerne do debate sobre o PLC 122, que é a interdição dos discursos que incitam a violência utilizando-se do pretexto da liberdade religiosa”.


A nota foi publicada como crítica ao senador Lindbergh Farias (PT/RJ), por ter apoiado Malta quando esse saiu em defesa do pastor Silas Malafaia, que está sendo processado pelo movimento gay, acusado de incitar a violência contra os homossexuais. Malafaia foi processado por suas duras críticas contra o uso de imagens católicas na Parada do Orgulho Gay de São Paulo. Os ativistas gays afirmam que Malafaia incitou a violência contra os homossexuais que levaram imagens de santos em posição sensuais para a Parada do Orgulho Gay em São Paulo.


Em resposta à nota, Malta disse: “Não sou intolerante, não sou violento e jamais tive conduta homofóbica”. Perguntando se o Partido dos Trabalhadores endossa as acusações contra ele, o senador afirmou ainda que não subirá mais no palanque do PT caso o partido não faça uma retratação sobre o caso.

Malta finalizou sua fala na tribuna afirmando: “Vou levar pra a barra da justiça esse tal de Julian Rodrigues, para ensinar o que é liberdade de expressão, um direito constitucional de todos”.

Fonte: Gospel+

Nenhum comentário:

Postar um comentário