terça-feira, 29 de maio de 2012

Indiano que desvendou milagre diz que Igreja Católica tenta calá-lo


Sanal Edamaruku, 56, presidente da Associação Racionalista Indiana, afirmou que a Igreja Católica tenta calá-lo desde que ele em abril desvendou um “milagre” de um crucifixo que gotejava pelos pés.

Ele provou com fotos e vídeo que a “água santa” vinha do vazamento de um encanamento próximo ao crucifixo e quem bebesse dela correria o risco de ser contaminado.

A Igreja Católica deu queixa dele em três delegacias de polícia sob a acusação de desrespeitar a lei da blasfêmia. Em caso de condenação, Edamaruku pode pegar até três anos de prisão.

Edamaruku disse estar surpreso com a reação da Igreja Católica, que, nesse caso, segundo ele, demonstra um fanatismo comparável aos dos fundamentalistas islâmicos. “Eles [os católicos] estão fazendo contra mim uma campanha vigorosa de difamação.” Ele teme ser atacado por féis furiosos.

Afirmou que o responsável por uma das delegacias o intima a prestar depoimento quase todos os dias, obrigando-o a viajar para Mumbai, dando-lhe gastos. Apesar disso, os advogados de Edamaruku não tinham conseguido até a semana passada uma cópia da acusação da Igreja Católica.

A lei da blasfêmia, de acordo com seu texto, se aplica a quem “ferir deliberadamente os sentimentos religiosos e cometer atos maliciosos para ultrajá-los”. Edamaruku afirmou que não pode ser enquadrado nessa lei porque o que fez foi apenas alertar para um engodo.

Disse estar disposto a recorrer a mais alta Corte do país para não só se defender da acusação da Igreja Católica, mas também para questionar a validade da lei da blasfêmia em um país laico. “Esse julgamento seria histórico.”

Joseph Dias, secretário-geral do Fórum Secular Católico-Cristão, negou que o vazamento tivesse sido apresentado como um milagre, mas o crucifixo no subúrbio de Mumbai estava atraindo católicos de toda a Índia em busca de um pouco da “água santa”, sem que a Igreja nada fizesse para deter a romaria.
Fonte: folhagospel.com/Paulopes
 
 
 
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário