quarta-feira, 11 de julho de 2012

Quando Deus fala

0
Deus fala. E fala de diferentes maneiras. A principal delas é sem dúvida a Bíblia. Para os pentecostais, também pela profecia e a palavra de conhecimento. E Deus fala enormemente ao coração. E quando Deus fala, há transformação. É impossível o Espírito Santo falar ao coração de alguém e essa pessoa permanecer igual. Você experimentou isso na sua conversão. E provavelmente muitas vezes depois. Em geral, quando tudo está bem, Deus permanece em silêncio. Mas quando Deus fala, geralmente é porque algo está errado conosco, pois, como Jesus disse, ele não veio para os sãos: veio para os doentes. E Ele não fala porque nos quer mal, fala porque deseja que nos aprumemos, porque nos ama. Ele nos quebra, nos humilha, nos confronta com o espelho. E aí temos dois caminhos: ou o ouvimos, nos quebrantamos e nos pomos na posição que Ele deseja ou permanecemos no erro. Já aconteceu isso com você? Comigo sim.

Muitas vezes Deus fala nos sacolejando. Nos esbofeteando. Foi o caso de Davi, após seu adultério com Bateseba e o assassinato de Urias. Ele errou e errou feio. Mas Deus o amou a ponto de levar o profeta Natã até ele e chamá-lo à responsabilidade. E o mais emocionante foi que Davi reconheceu seu erro. Se humilhou. Pediu perdão. Foi perdoado. Restaurado. O mal que ele fez não havia como corrigir: Urias não voltaria à vida, algo que tenho certeza que o rei carregou na consciência até o fim de sua vida. Pois os pecados que cometemos não nos abandonam, tornam-se nossa sombra, por mais que sejamos perdoados por Deus. Os homens não perdoam. Mas Deus sim. Só que as cicatrizes ficam.

De pecados não saem coisas boas. O que fica é rancor, raiva, remorso, dor, tristeza. Urias teria perdoado Davi? Talvez não. Talvez sim. Não podemos dizer. Mas quando Deus fala para te dizer o quão pecador você é e você se arrepende, depois ele também fala para dizer que te perdoou. Não vai tirar de você as cicatrizes, para que as carregue até o fim da vida como memorial do teu erro, mas com um objetivo benéfico: que você não cometa mais o mesmo erro.

O Deus Filho falou com o ladrão da cruz. E um ladrão que chega a ser condenado à cruz não roubou uma, duas ou três vezes: provavelmente cometeu o pecado do roubo inúmeras vezes. E ainda assim, quando Jesus falou com ele, suas transgressões foram apagadas e ele ouviu: “Ainda hoje estarás comigo no Paraíso”. Pois é isso o que importa ao cristão arrependido: o Céu. Quando Deus fala e te confronta com o Inferno, tuas pernas tremem. Os olhos se arregalam. Os teus erros passam como um filme na tua cabeça. O diabo grita de raiva, pois estava te enganando e nele você vinha acreditando. Mas quando você vê teus pés à beira do abismo do Inferno, a voz de Deus se faz audível a ouvidos que até então estavam surdos.

Não deveria ser assim, deveríamos nos aproximar de Deus por amor, em paz, sem ter de ser confrontados com a feiúra de nossos pecados ou ameaçados com o fogo que arde eternamente. Mas a realidade do Inferno serve para nos mostrar a realidade do Céu. A profundidade do vale é diretamente proporcional à altura da montanha. Feliz é o homem que ouve a voz de Deus apenas pelas palavras suaves de Cristo, sem ter de ser esbofeteado por seus pecados. Bom seria a Davi não ter de ouvir de Natã o que ouviu. Mas que bom que o Redentor mostrou o Inferno a Davi, pois pelo menos assim ele mudou seu caminho de morte eterna a tempo de se arrepender e, com isso, ser chamado de homem segundo o coração de Deus.

Já pequei muito. E no mais profundo vale dos meus pecados mais horríveis ouvi a voz de Deus. Fui confrontado com o Inferno. Fui abalado pelos meus erros. O chão se abriu sob meus pés e vi a perdição diante de mim. Tremi. Tremi e temi pelo destino eterno de minha alma. O processo de arrependimento é doloroso, dificil e desesperante, pois as escamas caem de nossos olhos e vemos quem somos, o que estamos fazendo e então nos tocamos: matamos Urias. Roubamos inúmeras vezes. É uma percepção avassaladora. Nos abate, nos deprime, nos humilha, nos derruba. Choramos e vemos que não há como Urias voltar à vida, não há como devolver o dinheiro que ficou conosco e que não nos pertence. Já o gastamos. Resta-nos a dor de uma culpa que nunca nos deixará, mas também um alento: a certeza de que o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo estendeu a nós a sua graça, o seu perdão. Nesse momento entendemos a exata razão de Cristo ter subido à Cruz por nós. E esse é o consolo que nos dá ânimo para ficar de pé e prosseguir, apesar de Urias nunca mais voltar à vida.

Sim, já pequei muito. Sim, ouvi a voz de Deus de dentro do lamaçal em que por minha culpa me enfiei. Sim, me arrependi. Oro a Deus que Ele me dê forças para nunca mais cometer os pecados que cometi. O mal que fiz a Urias não há como voltar atrás. Está feito. Só Deus sabe as lágrimas que derramei por ele. Mas me agarro à graça que me conduziu ao arrependimento, me agarro à Cruz e me agarro aos pés de Cristo. Sou grato a Ele por ter me estendido uma misericórdia que não entendo. Que os homens não exercem. Que só um Deus bom seria capaz de conceder.

A clareza de quão falho você é tem suas vantagens. A principal é que isso te torna mais entendedor do pecado do outro. Se você teve cúmplices na morte de Urias, enxerga-os com mais graça, pois você é tão culpado como eles. Antes você olhava assassinos e desejava o pior para eles, que fossem de trem expresso para a perdição eterna. Pedia a pena de morte, com gosto de sangue na boca. Mas quando a voz de Deus vem e mostra que você sim está no corredor da morte, apenas esperando o dia da execução, como resultado da tua humanidade e pecaminosidade… tudo muda. Você passa a olhar para o assassino com olhar de piedade. O desejo de mostrar-lhe o amor de Cristo aumenta. E assim você prossegue na caminhada, cheio das cicatrizes que te lembrarão eternamente dos males que você causou, mas com amor pelo pecador e a enorme vontade de tirá-los do caminho do Inferno. Pois Deus escancarou o Inferno diante de si e você não o deseja a ninguém.

Creio que é isso que deve nos impulsionar a pregar o Evangelho: a voz que ouvimos de Deus. Não uma obrigação ativista de evangelizar e discipular. Mas o desejo de tornar conhecido a pessoas que estão matando seus Urias a voz que fez você enxergar que você matou o seu. Mostrar a elas suas cicatrizes. Proclamar o amor que te alertou a tempo. E esperar que elas não sejam obrigadas a contemplar o Inferno para se desviarem de seus maus caminhos, pois você, que andou nesses caminhos, sabe o quanto isso dói. O quanto te humilha, quando você olha Jesus nos olhos.

Se você está matando Urias, eis meu testemunho, minha confissão, para que sirva de alerta a você. Quem escreve aqui é um pecador, falando para outro pecador. Há um Céu e há um Inferno. Há a beleza de Cristo e o horror do diabo e do pecado. Se você está trilhando o caminho que trilhei, de lama, enxofre e imundície, fique atento à voz de Jesus, o Cordeiro de Deus. Ele não veio à terra a passeio, veio por amor por mim e por você, pecadores, para que ouçamos a sua voz a tempo de deixar para trás as práticas malignas e caminhar com os olhos fixos na Cruz, sem se desviar dela para a esquerda nem para a direita. Minha humanidade me empurrou para fora dela muitas vezes. Mas pela graça permanecemos no caminho estreito. Se você está fora desse caminho, como eu andei, sugiro que pare de pecar. Não culpe ninguém, mesmo quem pecava com você. Não culpe nem mesmo o diabo: assuma seus erros e confesse seus pecados a Deus, em arrependimento sincero. Aproxime-se de um bom cristão, que torne-se seu confessor, que te ampare e te ajude a ficar de pé, apesar de o peso da lembrança dos pecados que cometeu vergar as suas costas. E não volte ao vômito.

Deus falou comigo. Me confrontou com meus pecados. Cada erro que cometi passou diante de meus olhos. Vi o cadáver de Urias. Eu o matei. Não posso ressuscitá-lo. Eu roubei. Não posso devolver o dinheiro que gastei. Mea culpa. Mea tão grande culpa. Clamei a Deus por perdão. Ele inclinou-se para mim e ouviu o meu clamor. Que o Deus que perscruta os corações veja o meu a cada nova manhã e, se ainda houver manchas, que o purifique. Se houver tentações, que livre-me delas. Que me faça ouvir sua voz todos os dias. Não esquecerei a face do Inferno. Esse eu já conheço. Mas quero ver o Céu. Hoje resta-me entregar-me às mãos de Cristo, contar com sua graça imerecida e esperar ouvir dele que estaremos juntos no Paraíso.

Encerro fazendo minhas as palavras de Davi no Salmo 51.1-17, escrito após ter percebido o horror do pecado que cometeu: “
Tem misericórdia de mim, ó Deus, por teu amor; por tua grande compaixão apaga as minhas transgressões. Lava-me de toda a minha culpa e purifica-me do meu pecado. Pois eu mesmo reconheço as minhas transgressões, e o meu pecado sempre me persegue. Contra ti, só contra ti, pequei e fiz o que tu reprovas, de modo que justa é a tua sentença e tens razão em condenar-me.
Sei que sou pecador desde que nasci, sim, desde que me concebeu minha mãe. Sei que desejas a verdade no íntimo; e no coração me ensinas a sabedoria. Purifica-me com hissopo, e ficarei puro; lava-me, e mais branco do que a neve serei. Faze-me ouvir de novo júbilo e alegria, e os ossos que esmagaste exultarão. Esconde o rosto dos meus pecados e apaga todas as minhas iniquidades.
Cria em mim um coração puro, ó Deus, e renova dentro de mim um espírito estável. Não me expulses da tua presença, nem tires de mim o teu Santo Espírito. Devolve-me a alegria da tua salvação e sustenta-me com um espírito pronto a obedecer. Então ensinarei os teus caminhos aos transgressores, para que os pecadores se voltem para ti. Livra-me da culpa dos crimes de sangue, ó Deus, Deus da minha salvação! E a minha língua aclamará a tua justiça. Ó Senhor, dá palavras aos meus lábios, e a minha boca anunciará o teu louvor. Não te deleitas em sacrifícios nem te agradas em holocaustos, se não eu os traria. Os sacrifícios que agradam a Deus são um espírito quebrantado; um coração quebrantado e contrito, ó Deus, não desprezarás“.

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

http://apenas1.wordpress.com/2012/07/07/quando-deus-fala/

Blog de Maurício Zágari


Nenhum comentário:

Postar um comentário