quarta-feira, 20 de março de 2013

As últimas informações sobre cristãos perseguidos no Mali

Muita coisa aconteceu no Mali desde o ano passado. A World Watch Monitor, agência internacional da Portas Abertas, descreveu a atual situação do país no artigo que você lê a seguir. A libertação das principais cidades do norte criou uma grande sensação de alívio, mas a tarefa de reconstrução é enorme
Mali.jpg
Um mês após a ofensiva francesa, tropas malianas e africanas recuperaram o controle das principais cidades do Norte do Mali, anteriormente ocupadas por grupos armados islâmicos. A operação liderada pela França começou em 11 de janeiro, após a tentativa de militantes islâmicos avançarem para o sul.

"Criou-se um grande tumulto entre a população do Mali quando percebemos, com desânimo, o progresso dos islamistas para o sul. Em breve, eles nos alcançariam e tomariam o poder.", disse Mohamed Ibrahim Yattara, líder da Igreja em Bamako, à World Watch Monitor.

Há um ano, Yattara e sua família fugiram de Timbuktu para a capital Bamako. Como ele, milhares de malianos buscaram refúgio ao sul do Mali, ou em países vizinhos como Níger, Burkina Faso e Mauritânia.

"Para nós, que deixamos nossas casas e nossas cidades nos últimos meses, a vitória dos islâmicos sobre as forças armadas tem despertado lembranças dolorosas. Nossas mentes ainda carregam muito fortemente as memórias de quando fomos atacados e vimos nossos lares serem invadidos e destruídos", disse ele.

Por quase um ano, os radicais impuseram uma estrita lei islâmica nas regiões sob seu controle. Intimidação, ameaças e mutilação tornaram-se prática comum. Outras religiões foram terminantemente proibidas e locais de culto e Igrejas foram profanados e saqueados.

"Tudo o que vivemos, de repente desapareceu e transformou-se em um sonho quando recebemos, com grande alegria, a intervenção do exército francês. O que era comumente chamado de ‘a crise no Mali’ aparentemente teria uma solução rápida", disse Yattara, que também era chefe de um instituto de treinamento bíblico, em Timbuktu.

Apesar de recuperar a sua liberdade, o povo do Mali enfrenta novos desafios, criados pela tomada de poder por parte dos islâmicos. Nove meses de ocupação deixaram o norte do país em grande necessidade de reconstrução. Muitos edifícios públicos foram destruídos, incluindo escolas, postos de saúde, monumentos antigos, hotéis e restaurantes.

Grupos de direitos humanos acusaram o Exército de atacar civis. Em um relatório publicado em 1º de fevereiro desse ano, a organização Human Rights Watch afirma que o governo maliano classifica árabes de pele clara e tuaregues como grupos associados aos rebeldes. Autoridades do Mali negaram as acusações e relataram publicamente sua posição contra ataques de vingança.

O Mali está na 7ª posição da Classificação de países por perseguição (WWL) 2013, um ranking dos 50 países onde a perseguição aos cristãos é mais severa. A lista é publicada anualmente pela Portas Abertas Internacional.
FonteWorld Watch Monitor
TraduçãoAna Luíza Vastag
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário