domingo, 24 de março de 2013

Chamado de “Jesus Negro”, líder de seita é acusado de matar e comer 3 crianças

Ex-seminarista tornou-se o “assassino canibal” de Papua Nova Guiné
por Jarbas Aragão

Chamado de "Jesus Negro", líder de seita é acusado de matar 3 crianças
Stephen Tari, também chamado de “Jesus negro” e “assassino canibal”, escapou com outros 48 presos durante a mudança de guarda na penitenciária de Madang, norte de Papua Nova Guiné.
Ele foi preso por causa dos estupros que cometeu, mas é o principal suspeito de matar três meninas e depois comer sua carne e beber seu sangue. Estes crimes nunca foram solucionados, mas Tari, 40, é considerado perigoso pela polícia local. Capturado e preso, estava na penitenciária desde março de 2007. Em 2010, foi condenado por quatro acusações de estupro, mas a falta de provas impediu que respondesse pelos homicídios.
Uma verdadeira caçada humana está em andamento nas selvas de Papua Nova Guiné para localizar os fugitivos.
Ex-seminarista, Stephen Tari conseguiu reunir milhares de seguidores em 2006, quando reuniu um “rebanho” fiel, que para o governo era apenas mais uma seita. Conhecido como o “Jesus Negro”, tudo mudou quando ele foi acusado de matar as meninas que faziam parte de seus discípulos.
Sempre usando longas vestes brancas, ele reunia as pessoas em uma clareira na selva, onde pregava seus ensinamentos. Estima-se que chegou a reunir mais de seis mil pessoas, sempre com a promessa que eles iriam receber recompensas no céu se o seguissem.
Ele começou a perder seguidores rapidamente depois de realizar rituais bizarros. Um deles incluiria o sacrifico humano de uma das meninas, no qual a própria mãe teria bebido o sangue da filha morta, de acordo com parentes da vítima.
Quando chegou na aldeia de Matapi, no interior do país, o pastor Paulo Makura, de uma igreja local, reuniu os moradores e prenderam Tari enquanto ele dormia.  Após sua fuga, a polícia disse que teme que muitos de seus antigos seguidores estejam ajudando a escondê-lo. Com informações Daily Mai

Nenhum comentário:

Postar um comentário