sexta-feira, 31 de maio de 2013

Deus, o diabo e o mundo das artes


Arte1Minha esposa ganhou convites para o espetáculo de patinação “Disney on Ice”, em que diversos personagens da Disney dançam e deslizam em belas coreografias sobre o gelo. Nunca tinha assistido a nada do gênero, não fazia ideia de como era. Por isso, levamos nossa filhnha filhinha de 2 anos no colo, quando, no meio do show, entraram em cena todos os bruxos e bruxas dos desenhos da Disney, numa grande e animada coreografia. Confesso que me assustei e me preocupei. Deveria eu deixar minha doce e inocente filha ficar vendo feiticeiras e feiticeiros num cativante espetáculo de som e luz? Será que aa ao Maracanãzinho. Lá estava eu, com miquilo despertaria seu fascínio pelo assunto? De algum modo aquilo a levaria a se tornar uma satanista, uma adepta da bruxaria, uma depravada, uma apóstata ou mesmo uma cristã mística que dedica mais tempo ao diabo do que a Deus? Deveria eu me levantar e ir embora? A dúvida me consumia, quando entraram em cena Mickey, Minnie, Pateta e Pato Donald e, em meio a muita algazarra, expulsaram todos os bruxos de cena, enquanto a música celebrava a vitória do bem sobre o mal e a criançada ia ao delírio com a derrota das forças malignas. Sussurrei no ouvido de minha filhinha: “Tá vendo, filha, Jesus deu um jeito de fazer os maus irem embora”. E ela começou a gritar, animada: “Sai, bruxa má!”.  Esse episódio me fez refletir muito sobre qual é a diferença entre mencionar algo que vai contra os valores do Evangelho e defender esse algo. Até que ponto discorrer sobre um pecado estimula a prática desse pecado?

Minha conclusão é que entre mencionar e defender a diferença é monstruosa. No entanto, muitos de nós, cristãos, não conseguimos enxergar essa fronteira. Uma das áreas em que isso fica mais claro são as artes, haja vista as antigas polêmicas que envolvem questões como “música gospel X música do mundo”, “crente pode ir ao cinema?” etc. Sei que essa é uma discussão sem fim, que desperta paixões e defesas arraigadas, impulsivas e até agressivas (por favor, seja gentil ao discordar de minhas posições nos comentários…), sei que tem gente que considera a Disney um império satânico (graças a uma série de fitas de videocassete que um pastor com intenções que só cabe a Deus julgar lançou anos atrás, com algumas verdades sobre mensagens subliminares mas também com muitos exageros). Todavia, gostaria de compartilhar alguns pensamentos sobre o assunto.

Arte4Sempre defendi que não devemos deixar nossos filhos expostos de peito aberto a literaturas e filmes como os das sagas “Harry Potter” e “Crepúsculo” (perceba: eu disse “de peito aberto” e não que devemos proibi-los totalmente de ler tais obras). E explico por que precisamos nos acautelar com esse tipo de literatura: durante séculos, toda e qualquer representação de bruxos era sempre aquilo que a bruxaria de fato é: má. A bruxa da Branca de Neve, a bruxa da Bela Adormecida, a bruxa dos desenhos do Pica-Pau, a bruxa de Monteiro Lobato… todas as bruxas, enfim, sempre foram retratadas como alguém que joga no time do mal. Suas histórias nos estimulavam a fugir da bruxaria e a repudiá-la. Harry Potter não. Na série do bruxinho bonzinho, o bruxinho é… bonzinho. Essa é exatamente a questão. Ele é o herói. Ele é o tal. Ele é bacana. Ele é quem nossos adolescentes querem ser quando crescer. Eis aí o problema: o bruxo é o cara.

Arte7Nas histórias da saga “Crepúsculo” acontece o mesmo. Embora vampiros, ao contrário de bruxos, sejam seres fictícios, nessa saga eles são lindos, sedutores, charmosos, os galãs por quem as meninas suspiram. Mas os personagens vampiros são e sempre foram criaturas das trevas. Se você lhes aponta a cruz de Cristo o que eles fazem? A abraçam? Ou fogem? Então seres das trevas que fogem da cruz passaram a ser glorificados pela ficção. Até bem pouco tempo atrás os vampiros dos livros e dos filmes eram sempre tenebrosos, horripilantes, assustadores. “Crepúsculo” mudou isso e tornou desejável ser ou admirar alguém que foge da cruz de Jesus. É tudo uma questão da mensagem que é transmitida.
Então vemos que um pano de fundo belo pode ser o cenário para a transmissão de valores bem ruins do ponto de vista bíblico. Por exemplo: já expus em posts como “Cristão deve ouvir música do mundo?” e “O que é boa música evangélica?” que não vejo base bíblica para proibir cristãos de ouvir músicas seculares cujas letras não sejam antibíblicas. Mas isso deve ser sempre com cautela, analisando cuidadosamente e à luz das Escrituras aquilo que se consome. Para fazer um teste sobre isso decidi, por curiosidade pessoal, analisar letras de músicas de um artista que não é do meu gosto musical (e que, por isso, praticamente desconhecia seu repertório), mas que foi indicado por um homem de Deus a quem respeito muito e que gosta dele. Por essa razão decidi analisar as letras de suas canções e encontrei, em meio a muitas músicas inofensivas e bonitas aos ouvidos, também muitas que visivelmente contrariam o Evangelho e seus valores.

Arte3Minha cobaia foi Ivan Lins (que fique claro que nada aqui versa sobre a pessoa desse artista, apenas sobre as letras das canções que interpreta). Fiquei surpreso e assustado com a quantidade de valores antibíblicos em muitas de suas letras. “Vitoriosa”, “Porta entreaberta”, “Dinorah, Dinorah” e “Lembra de mim”, por exemplo, defendem uma sexualidade contrária ao padrão que as Escrituras estabelecem. Ainda nessa área, “Ai, ai, ai, ai, ai” exalta a paixão sexual ultrarromântica, assim como “Arrependimento”, que diz “Te amo, te amo, te amo / Mais que tudo, mais que Deus”.  “A gente merece ser feliz” e “Daquilo que eu sei” defendem o hedonismo. “Caminhos cruzados” advoga o amor irracional. “Acaso” transgride a soberania de Deus ao atribuir ao acaso fatos da vida. “Lua soberana” louva Iemanjá. Em “Ainda te procuro” a alusão é a buscar o amor nas cartas de uma cigana e em “Então é Natal” se insere no meio da música o mantra dos Hare Krishnas, “Hare Rama”. Já “Festas” passa uma noção totalmente equivocada do que é o Natal. A canção “Cartomante” faz um salada ecumênica: “Tenha paciência, Deus está contigo / Deus está conosco até o pescoço / Já está escrito, já está previsto / Por todas as videntes, pelas cartomantes / Tá tudo nas cartas, em todas as estrelas / No jogo dos búzios e nas profecias”.

E por aí vai.

Ou seja: nem tudo o que parece inocente apresenta valores bíblicos. Em tudo precisamos aplicar o tão falado discernimento.

Agora é preciso observarmos o outro lado da moeda: uma obra de arte apenas relatar histórias de pecados, idolatria, práticas equivocadas e tudo o que há de pior não a condena. Que o diga a própria Bíblia, que relata tudo isso e muito mais, da queda de Adão e Eva aos pecados das igrejas de Apocalipse, passando pelos de Abraão, Moisés, Noé, Jacó, Davi, Pedro, Paulo e muitos outros. O problema, a meu ver, é quando a obra defende a prática.

Arte4Já vi cristãos bons e sinceros desmerecerem livros magníficos, como o vencedor do Prêmio Nobel de Literatura “Cem anos de solidão”, que relata, dentro do realismo fantástico de Gabriel Garcia Marquez, histórias extraordinárias e explicitamente fantasiosas com pecados gravíssimos, mas sem estimular ninguém a agir daquela forma. Ou “Crônica de uma morte anunciada”, do mesmo escritor, um excelente livro que fala do comportamento humano ante a morte certa. Ou, ainda, “O amor nos tempos do cólera”, uma linda história que tem como mensagem principal o fato de que o amor verdadeiro não depende de tempo, mas sim da pessoa (Jacó, que teve de trabalhar 14 anos por Raquel, que o diga). Imagine se fossemos condenar todos os livros de Sir Arthur Conan Doyle e Agatha Christie, por exemplo, por sempre versarem sobre crimes. Sherlock Holmes, a propósito, é viciado em cocaína e há roubos e assassinatos em praticamente todas as suas histórias – mas nunca se faz nelas defesa dessas práticas.

Vênus de MiloEnfim, o que consigo ver na produção artística de variados segmentos, como a música, a literatura, a pintura, a escultura e outras artes é tanto a defesa (provavelmente inconsciente, na maioria dos casos) de valores antibíblicos (como nas músicas citadas acima) quanto a exposição não panfletária de nudez (como a Vênus de Milo, que pratica topless e deixa seu “cofrinho” à mostra – ver fotos) e a representação de um amor arrebatador, desesperado e ultrassexualizado (como em Cantares de Salomão – na Bíblia). Aliás, para quem lê Cantares entendendo o que lê, o comportamento sexual da família Buendia de “Cem anos de solidão” parece história de ninar. Deveríamos remover o livro mais erótico da Bíblia do cânon sagrado por causa disso? Ou, talvez, deixar de publicar a Bíblia? Quem sabe ainda proibir nossos filhos de ler as Escrituras, porque citam sexo, bruxaria, assassinatos, genocídios, adultérios, demônios e outras coisas terríveis?

Uma coisa é defender. Outra é relatar. Creio que, por esse pudor bem-intencionado (é importante frisar isso) porém desconectado da realidade, especialmente da realidade em que vivem os nossos jovens, uma grande parcela da Igreja tem falhado profundamente em orientar as novas gerações. Não é à toa que nossas igrejas estão cheias de adolescentes solteiras grávidas e de adultos que nãos sabem como proceder com relação às artes. Pois enquanto o mundo cai batendo sem piedade, nós ainda falamos da abelhinha do papai pousando na flor da mamãe.

Há uma guerra grave e severa no mundo espiritual e, consequentemente, nas instâncias humanas, por nossos corações e mentes. Falo de camarote: eu mesmo já fui vítima dessa guerra e cometi pecados para os quais hoje, após o arrependimento, olho com muita tristeza, profundo lamento e sem acreditar que fui capaz de cometer tamanhas atrocidades. Só que cometi e hoje, embora perdoado por Deus, carrego as cicatrizes – e para sempre as carregarei. Guerras são assim: deixam mortos e feridos por todos os lados e, se você não está bem protegido num abrigo antiaéreo, será atingido. No caso, nosso abrigo chama-se Jesus de Nazaré. O mundo está usando AR-15 e tanques, enquanto nós entramos com estalinhos e pistolas de água. Fica fácil ver de que lado a corda vai romper, se continuarmos nesse caminho. Temos de proteger nossos filhos para que eles não cometam os mesmos erros abomináveis que nós cometemos no passado – e essa proteção deve ser efetuada não com alienação, mas com oração e as indispensáveis informação e instrução (sempre de forma adequada para cada faixa etária, claro). Por ter cometido pecados que hoje abomino tenho de lutar de forma arraigada para que minha filha não os cometa.

Arte7O problema é que estamos empreendendo essa luta da forma errada. Pois, em grande parte, nós, cristãos, acreditamos que a alienação é a saída: não deixe ter acesso e está tudo certo; proíba a leitura e seu filho nunca vai pecar. Só que alienação não cria jovens santos: cria jovens alienados. Isolamos nossas crianças e nossos adolescentes, em vez de instruir e ensinar. Proibimos em vez de dialogar (como se eles não fossem ler escondido ou na casa do coleguinha). A saída não é propor uma abstinência dos livros que ganharam o Prêmio Nobel só porque eles relatam histórias de pessoas que pecam, mas estimular que leiam e então discutir com eles o que ali está relatado. Quando leio para minha filha de 2 anos a história do Patinho Feio, explico que discriminar os outros porque são fisicamente diferentes é errado, é racismo, mas não a proíbo de conhecer a história. E, quando leio Chapeuzinho Vermelho, falo sobre a maldade do lobo em oposição à bondade de Chapeuzinho, não a proíbo de ter acesso por se tratar de um livro violento (lembremos que o lobo é sumariamente executado no final). Que dizer então do Gato de Botas, um mentiroso frio e calculista que, para se dar bem na vida, inventa mil ardis para enganar o rei, incentiva outras pessoas a mentir, assassina sem piedade o gigante para poder usar o castelo dele em seu plano maligno de ascensão social e no fim… vive feliz para sempre. Leio com minha filha a história, mas explico cada erro cometido, cada equívoco. E, sabe… hoje minha filha não vai muito com a cara do Gato de Botas.

Arte6Sou a favor da boa música, secular ou cristã. Sou a favor da boa literatura – secular ou cristã. Sou a favor das boas artes plásticas – seculares ou cristãs. Não deixarei de estimular minha filha a ler a magnífica obra de Gabriel Garcia Marquez, mas vamos conversar muito sobre as mensagens de seus livros – as boas e as más. Não deixarei de levar minha filha para ver os quadros da fase negra de Goya (ao lado) devido à violência e ao mal retratados neles – mas lhe contarei por que aquelas imagens são assim. Não vou fugir das galerias do Louvre onde estão estátuas greco-romanas de homens nus, mas instruirei minha filha sobre os conceitos estéticos vigentes naquelas culturas e o que podemos tirar daquilo. Bem orientada, não creio que nada disso a tornará uma depravada. Pelo contrário, a deixará instruída e prevenida. Até porque, em paralelo, estarei ensinando a ela o Evangelho, explicando por que Deus mandava seu povo dizimar nações à espada, permitia a poligamia, mandava apedrejar pessoas até a morte, ordenava que cunhados se casassem só para gerar descendentes e outras práticas bizarras que ali são relatadas mas não estimuladas na nova aliança.

Porque, sejamos coerentes, se formos simplesmente proibir nossos jovens de ler livros que contêm violência, relatos de atos sexuais ilícitos e depravados, histórias de pecados horripilantes, descrições extraordinárias de anjos duelando com demônios e relatos de experiências de seguidores de doutrinas de demônios… nenhum deles jamais leria a Bíblia.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Mauricio

---

Fonte: Apenas1
Autor: Maurício Zágari

[Vídeo] No Programa do Ratinho, pastor Silas Malafaia fala sobre ativismo gay, liberdade de expressão e prisão de Marcos Pereira: “Lei é lei pra qualquer um”; Assista

[Vídeo] No Programa do Ratinho, pastor Silas Malafaia fala sobre ativismo gay, liberdade de expressão e prisão de Marcos Pereira: “Lei é lei pra qualquer um”; Assista
A entrevista concedida por Silas Malafaia ao Programa do Ratinho foi transmitida ontem pelo SBT, e diversos temas foram abordados. Como de costume, o pastor foi questionado sobre homossexualidade, ativismo gay, aborto, política, dízimo e outras questões teológicas, além de opinar sobre o caso do pastor Marcos Pereira.

Silas Malafaia falou ainda sobre a manifestação que está sendo organizada para expressar o posicionamento do segmento evangélico a respeito de questões sociais. De acordo com o pastor, no próximo dia 05 de junho, haverão mais de 100 mil pessoas em Brasília, e o ato só será superado pela manifestação conhecida como Diretas Já, realizada em 1984 na Praça da Sé em São Paulo pela redemocratização do país e direito ao voto direto.

Questionado sobre sua postura contra a homossexualidade, Malafaia ressaltou que discordar é um direito: “O que as pessoas tem que entender é o seguinte: ser contra um comportamento não significa discriminar pessoas”, e frisou que seu empenho é contra os ativistas gays, que defendem o conceito de que o Brasil é um país homofóbico.
Uma pergunta feita por telespectadores do programa sobre uma colocação do papa Francisco, que entende ser a homossexualidade fruto de uma ação demoníaca, foi respondida por Malafaia de forma a concordar com o líder da Igreja Católica: “Ele tá calcado na Bíblia Sagrada [...] O diabo quer destruir a família”.
Novamente, o pastor reforçou sua postura a respeito da homossexualidade, dizendo ser um “comportamento adquirido”. Malafaia frisou que não considera a prática uma doença, mas também pontuou que não há provas de que um ser humano nasça homossexual.

A respeito da resolução emitida pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) obrigando aos cartórios a registrarem o casamento entre pessoas do mesmo sexo, o pastor da Assembleia de Deus Vitória em Cristo novamente criticou a “canetada” do órgão, dizendo que essa decisão “extrapolou” as funções do Conselho. “Dogmas sociais são decididos por plebiscito ou pelo Congresso”.
A prisão de Marcos Pereira, pastor da Assembleia de Deus dos Últimos Dias (ADUD), sob acusação de estupro foi tratada de forma objetiva por Silas Malafaia: “Lei é lei e é pra qualquer um. Seja pastor, ou qualquer um. Se ele cometeu isso que estão dizendo, chumbo grosso, cadeia pra ele porque não tem conversa. Isso aqui é inegociável. Pastor, ao contrário… Quanto mais você trabalha com pessoas, você representa grupos sociais, maior é a sua responsabilidade”.

Malafaia também comentou questões de cunho doutrinário, como a orientação para que solteiros não pratiquem sexo antes do casamento, e também sobre o tendência de igrejas adotarem máquinas de cartão de crédito e débito para recolherem ofertas e dízimos. De acordo com o pastor, cartões são “dinheiro plástico”, e muitos fiéis preferem contribuir dessa forma, pela praticidade.

Sobre o dízimo especificamente, o pastor foi questionado se considera correto que pessoas de baixa renda contribuam. Malafaia respondeu dizendo que os dízimos e ofertas são dados por quem se sente à vontade para doar, e disse também entender que as pessoas que não fazem parte de nenhuma igreja evangélica não deveriam opinar a respeito do tema.

A liberdade de expressão, um dos temas que serão abordados durante a manifestação em Brasília, no próximo dia 05 de junho, foi defendida pelo pastor Malafaia, que criticou as indicações do governo de tentar impor um controle sobre a mídia, que avalie seu conteúdo e defina o que pode ou não ser veiculado.
A respeito do aborto, novamente o pastor se colocou totalmente contra, dizendo que o feto não é um prolongamento do corpo feminino. Citando informações a respeito da gestação, Malafaia afirmou que a mulher é uma hospedeira, e que o bebê é quem regula as atividades biológicas, e que por isso, a mãe não pode decidir a respeito da vida ou morte dele.

Comentando o recente tumulto por causa de boatos a respeito do fim do programa Bolsa Família, Malafaia disse ser a favor do programa até certo ponto: “O que faz a riqueza de uma nação é o trabalho. Nós precisamos dar trabalho, não sustentar vagabundo em casa”, esbravejou. O pastor ainda complementou dizendo que programas sociais como o Bolsa Família não são uma invenção do governo do PT, e sim, do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB): “A verdade tem que ser dita. Discordo de muita coisa de Fernando Henrique, mas quem inventou esse programa foi ele”.

Assista a íntegra do programa:
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
Por Tiago Chagas, para o Gospel+

http://noticias.gospelmais.com.br/video-ratinho-silas-malafaia-ativismo-gay-marcos-pereira-54692.html

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Pastor Silas Malafaia Organiza Manifestação Contra Casamento Gay E Aborto Em Brasília


Pastor Silas Malafaia organiza manifestação contra casamento Gay e aborto em Brasília
Pastor Silas Malafaia organiza manifestação contra casamento Gay e aborto em Brasília
Pastor Silas Malafaia organiza manifestação contra casamento Gay e aborto em Brasília.

Dia 5 de junho acontece, em Brasília-DF, uma manifestação pacífica em defesa da família tradicional, liberdade de expressão e da vida.

O evento será às 15hs, em frente ao Congresso Nacional. Mais de 100 mil pessoas são esperadas.
Organizada pastor Silas Malafaia e outros pastores, o protesto marca posição contra o casamento gay, o aborto e o Projeto de Lei 122, que criminaliza a homofobia.
Além de diversos líderes evangélicos, o evento contará com Thalles, André Valadão, Aline Barros, David Quinlan, Cassiane, e outros cantores.

Possessão demoníaca coletiva de jovens em escola causa tumulto e pânico entre alunos e professores

Possessão demoníaca coletiva de jovens em escola causa tumulto e pânico entre alunos e professores
Uma possessão demoníaca numa escola pública na Colômbia causou tumulto e levou pânico a alunos e professores. Quatro jovens teriam sido possuídos por espíritos malignos de acordo com as testemunhas.
Os jovens da cidade de Isnos desmaiaram sequencialmente, e quando acudidos, despertaram com comportamentos incomuns, demonstrando agressividade com gestos e gritos.
Em meio ao tumulto, pastores evangélicos da região foram chamados para exorcizar os jovens. De acordo com o site Noticia Cristiana, os jovens pareciam ter força sobre humana, e foram necessárias várias pessoas para segurá-los.
Segundo uma das testemunhas, a expulsão dos demônios de uma adolescente foi mais difícil do que os demais: “Ela agiu violentamente, jogando mesas e cadeiras para o chão. Ela correu e bateu no portão da escola, o que deu origem a um ferimento em sua cabeça”, disse Alvaro Gomez.
O Sr. Gomez afirmou que as imagens que presenciou eram surreais: “Ela estava com o rosto desfigurado, parecendo um animal, com olhos esbranquiçados e expondo a língua mais do que o habitual. Foram gestos muito horríveis, com uma voz profunda, o que gerou medo entre os presentes. A voz disse que era satanás, e que iria levar a todos”, contou.
Ainda segundo Gomez, houve boatos de que um dos jovens que foi possuído havia passado os dois últimos anos praticando um jogo que supostamente evocaria demônios.
Os pastores que foram chamados para expulsar os demônios levaram cerca de três horas para conseguirem exorcizar os jovens, e um deles teria chamado um padre especialista em exorcismo para ajudá-los, porém a ajuda nunca chegou.
Por Tiago Chagas, para o Gospel+

Crime de intolerância: vizinho mata família evangélica por discordar de opção religiosa

Crime de intolerância: vizinho mata família evangélica por discordar de opção religiosa
Uma família foi morta a facadas por um vizinho que não concordava com a opção religiosa deles, que eram evangélicos.
O rapaz, que segundo a Polícia Militar estava transtornado, invadiu a residência dos vizinhos e desferiu golpes contra todos os que estavam na casa: o pai, a mãe, e os dois filhos do casal, de um e três anos de idade.
Um terceiro filho do casal, de 10 anos, que estava na escola na hora do ataque, escapou sem ferimentos. A menina de três anos foi salva pela mãe, que correu após sofrerem os primeiros golpes.
Na fuga, a mãe que carregava filha avistou uma viatura da Polícia Militar e pediu ajuda. Os policiais localizaram o suspeito que se rendeu e demonstrava estar desorientado. Socorridas, mãe e filha foram levadas ao hospital, com ferimentos graves. Entretanto, mesmo passando por uma cirurgia, a mãe não resistiu.
O rapaz que realizou o ataque e o pai da família que foi atacada eram sócios numa loja de móveis, mas o motivo do surto que resultou na morte das três pessoas foi a discordância dele em relação à religião praticada pelo amigo.
Na delegacia, o rapaz afirmou que não concordava com o fato de eles serem evangélicos e que não se arrependia de tê-los matado.
Assista reportagem do R7 sobre o caso neste link.
Por Tiago Chagas, para o Gospel+

Aniversário de 50 anos de casados de Maria Madeira e Adão Madeira “Bodas de Ouro”



No dia 25/05/2013 foi comemorado com um Culto em Ação de Graças, o aniversário do Casal  Maria Madeira e Adão Madeira.

 O Casal completou 50 anos de casados e comemorou ao lado da família o aniversário de Bodas de Ouro.

O Culto aconteceu na Igreja Assembleia de Deus Gideões Missionários em Pelotas/RS.

As 1930 horas, entraram no corredor da Igreja, e diante do olhar do publico presente, sentam-se,diante do altar.


Pastor Énio Santos, Realizou a cerimônia, o qual também abençoou.

.O mesmo foi também prestigiado por Pastores Convencionais vindo de Vários Municípios do Rio Grande do Sul/RS.

Lembrando que o Pastor Adão Madeira é o Presidente da Convenção das Assembleias de Deus Ministério de Pelotas, ( Gideões Missionários).

Mensagem


Foto do casamento
Existem muitos exemplos que a vida nos dá de tudo que aprendemos mais vocês são exemplo do amor, compreensão e fidelidade, afinal de contas são cinquenta anos, cinco décadas de dedicação carinho e muita luta que fizeram de vocês duas pessoas que descobriram um no outro o que há de mais belo, a união, a entrega, a vivência de um para com o outro. 








Pr. Énio Santos


ADUD diz que gravação com diálogos picantes do pastor Marcos Pereira é “forjada e mentirosa”; Senador Magno Malta afirma que inquérito é inconsistente. Assista

ADUD diz que gravação com diálogos picantes do pastor Marcos Pereira é “forjada e mentirosa”; Senador Magno Malta afirma que inquérito é inconsistente. Assista
A Igreja Assembleia de Deus dos Últimos Dias (ADUD) divulgou uma nota oficial em seu site repudiando a divulgação da gravação em que o pastor Marcos Pereira supostamente dialoga com uma fiel sobre aventuras sexuais.
De acordo com a ADUD, a gravação é “forjada e mentirosa”, e teria sido “divulgada com a única intenção de manipular a opinião pública”.
O áudio referido contém diálogos picantes entre um homem e uma mulher, e segundo os jornais Extra e O Dia, a voz masculina é atribuída ao pastor Marcos Pereira. A conversa, permeada de termos chulos e explícitos, contém detalhes do que seria uma relação extraconjugal.
“O pastor Marcos Pereira é inocente, e palavras chulas numa gravação sem nenhuma autenticidade não vai mudar isto! Vejam os pronunciamentos do Deputado Paulo Ramos e do Senador Magno Malta, das supostas vítimas arroladas no inquérito que sequer foram ouvidas pelos investigadores. Ouçam os acusadores que se dizem coagidos, escancaradamente coagindo as testemunhas. Há uma inversão de papeis nesse ‘esquema’”, pontuou a nota de ADUD.
A repercussão do caso envolvendo o pastor Marcos Pereira foi comentada pelo senador Magno Malta durante uma sessão da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania. De acordo com o discurso de Malta, há inconsistências severas no inquérito e boa parte das testemunhas não foram ouvidas pelo delegado responsável, que teria assumido o caso com as investigações em andamento.
Magno Malta ainda observou que o pedido de prisão preventiva foi feito pelo Ministério Público por orientação da Delegacia de Combate às Drogas (DCOD), e aceito pelo juiz da Comarca de São João de Meriti sem que houvessem provas materiais contra o pastor Marcos Pereira.
Em seu discurso, o senador Magno Malta observou ainda que há gravações de integrantes do AfroReggae orquestrando depoimentos para acusar Marcos Pereira, e ressaltou que a falsa comunicação de crime no Brasil é um crime previsto em lei, mas os integrantes do AfroReggae não estão sendo investigados por isso.
Malta comentou as gravações feitas com diálogos picantes permeados de termos chulos que supostamente comprovariam um caso extraconjugal de Marcos Pereira dizendo que “fica feio para um pastor” ser gravado falando “sacanagem”, mas observou que isso “não manda prender” ninguém. O senador ainda frisou que, caso se prove que Marcos Pereira estuprou alguma das mulheres mencionadas no inquérito, ele deve “apodrecer na cadeia”.
Assista ao discurso de Magno Malta:
Leia a íntegra da nota divulgada pela ADUD sobre a gravação supostamente “forjada”:
Gravação forjada e mentirosa contra o Pr. Marcos Pereira não abala povo de Deus.
A Assembléia de Deus dos Últimos Dias repudia qualquer arma forjada e divulgada com a única intenção de manipular a opinião pública.
Há alguns dias a imprensa divulgou uma gravação sem embasamento legal e sem perícia técnica. Tal atitude deixa mais claro que existe um “esquema” para denegrir e escandalizar a nossa amada igreja. Tirar o foco da falta de provas, da incompetência técnica, da negação da defesa parece ser o objetivo atual do “esquema”.
O pastor Marcos Pereira é inocente, e palavras chulas numa gravação sem nenhuma autenticidade não vai mudar isto!
Vejam os pronunciamentos do Deputado Paulo Ramos e do Senador Magno Malta, das supostas vítimas arroladas no inquérito que sequer foram ouvidas pelos investigadores.
Ouçam os acusadores que se dizem coagidos, escancaradamente coagindo as testemunhas. Há uma inversão de papeis nesse “esquema”.
A ADUD convida o leitor a fazer a sua própria perícia no áudio divulgado, a questionar por que não há NENHUMA prova que incrimine nosso pastor em mais de 14 meses de investigação e por que ele está preso.
Hoje é o nosso amado Pastor Marcos Pereira que está sendo perseguido. Amanhã poderá ser aquele homem de Deus que ministra sua vida todos os dias…seu pastor!
A Democracia, o Estado de Direito, a Liberdade Religiosa e a própria Constituição estão sendo afrontadas nesse caso.
Não deixem que a vontade de um pequeno grupo de pessoas seja maior do que a verdade.
Vamos buscar nosso direito de defesa!
Não vamos entregar nossa Democracia assim tão facilmente.
Pelos nossos filhos, pelos nossos netos… Pelo nosso País! Pela Verdade! Por uma imprensa livre de interesses!
Nosso querido pastor Marcos Pereira da Silva é inocente de TODAS as acusações imputadas.
Vamos orar, pedir a Deus que a verdade e a liberdade do Pastor Marcos Pereira venham logo, pois o Povo de Deus não aguenta mais essa injustiça.
Vamos orar pela Justiça!
#LiberdadePastorMarcosPereira
Por Tiago Chagas, para o Gospel+

terça-feira, 28 de maio de 2013

Pastor afirma que morreu, foi ao céu e falou com Jesus. Assista

Pastor afirma que morreu, foi ao céu e falou com Jesus. Assista


O pastor João Carlos Marques (foto), de Porto Alegre (RS), contou em um programa de TV de um colega que morreu e 30 minutos depois ressuscitou. Nesse meio tempo, disse, seu espírito foi ao céu, onde se encontrou com Jesus Cristo.

Marques contou que em uma quarta-feira de agosto de 1986, após participar de uma conferência em Belém (Pará), passou mal, mas inicialmente se recusou a ir a um hospital porque acreditava no poder de cura de Jesus. Na conferência, ele tinha falado justamente sobre isso. Seis anos antes, Marques já tinha tido dois derrames.

Amigos de Marques acabaram levando-o a um hospital, de onde, segundo ele, seu espírito subiu ao céu por um túnel, não de luz e sim escuro.

Disse que “o paraíso é um luxo”, com muito ouro e o que parece ser diamantes. Lá, os espíritos não são homens nem mulheres, “são neutros”, vestem saia e têm a mesma idade, a de Cristo quando ele morreu.

Marques contou que Cristo o recebeu no pico de uma montanha. O filho de Deus, disse, tinha cabelos longos e barba bem cuidados e olhos azuis. Estava com um vestido longo e cinturão de ouro.

O pastor afirmou que ficou impressionado com o coral do céu e com as harpas, com mais de dois metros de altura – cada uma delas era tocada por “dois seres celestiais”.

Disse que gostaria de ficar lá, mas teve de voltar porque Jesus lhe falou que a sua missão na Terra ainda não tinha terminado. Na volta, acompanhado por um anjo, ele viu de longe o inferno, onde, afirmou, tem muito mais gente do que no paraíso. Contou que voltou para o seu corpo entrando pelo nariz.








Adaptado de: Paulopes

Fonte: Gospel+ 

Se Deus é bom por que Ele permite a dor?

Se Deus é bom por que Ele permite a dor? Por que o Deus que é amor permite tanto sofrimento, até entre seus filhos? Essa é a pergunta que não quer calar e que tem levado inclusive ao surgimento de heresias, como a Teologia Relacional, inventada para tentar explicar essa aparente contradição. Quanto e quantos de nós já não passamos por situações de dor – seja física, moral, emocional ou de qualquer outro tipo – e questionamos o Senhor sobre nossa condição? Isso já aconteceu comigo e certamente também com você. Pois bem: eu tenho uma teoria. É claro que nem todos os casos se encaixam nela, mas acredito que muitos sim. Creio que o Senhor nos deixa passar pelo “vale”, como diz o jargão, para que no futuro possamos auxiliar outras pessoas que por sua vez venham a atravessar o mesmo “vale”. Em outras palavras, penso que Deus autoriza a dor para que mais à frente possamos usar a experiência advinda desse sofrimento com o objetivo de ajudar o próximo que esteja vivendo aquilo que já vivemos. E, nesse ajudar, tanto quem ajuda quanto quem é ajudado desenvolve, fortalece e solidifica muito seu relacionamento com Cristo.




Como já contei aqui no APENAS, sofro de uma doença chamada fibromialgia, que me faz sentir dor 24 horas por dia, 7 dias por semana, há 16 anos. Não tem cura e impede que desempenhemos uma série de atividades, como digitar no computador, dirigir, carregar muito peso, fazer exercícios, praticar esportes e outras mais. E é uma doença cruel, pois não aparece em nenhum exame (seu diagnóstico é clínico) e muitas pessoas não entendem ou mesmo não acreditam que a sua dor, a sua prostração e a indisposição para fazer qualquer coisa sejam fruto de uma moléstia invisível: simplesmente te rotulam de preguiçoso, exagerado ou coisa parecida. Desde 1996 esse mal ocupa cada músculo e tendão do meu corpo. De lá para cá tenho buscado alternativas tecnológicas que me permitam viver e peço a Deus constantemente que, se for da vontade dEle, venha a me sarar. Se não o fizer, o glorificarei do mesmo jeito – meu amor pelo Senhor independe de me curar ou não.





Contei esse relato no post E quando Deus não cura – Parte 1/2, já há alguns meses. Não pretendia voltar ao assunto, pois não gosto de ficar falando sobre esse problema – simplesmente porque falar não adianta nada. Mas recentemente recebi pelo Facebook o testemunho de uma irmã, que me pediu para não divulgar seu nome, que leu sobre a minha experiência e isso de certo modo tocou sua vida. Conversamos a respeito e, com a autorização dela, compartilho o que ela me escreveu, com um único intuito: mostrar que, se você está passando por um momento de dor ou de sofrimento, em vez de se lamuriar pode usar sua experiência no futuro para ajudar alguém que venha a cruzar seu caminho enquanto enfrenta uma situação parecida com a sua. Assim, sua dor pode vir a abençoar muitos.




Em seu relato, a irmã E.D. tece alguns elogios a mim, mas deixo bem claro que tenho plena ciência de que toda boa dádiva e todo dom perfeito vem do Pai das Luzes, logo, não reproduzo os mesmos com nenhum intento de me exaltar, senão com o de glorificar ao Senhor pelo que Ele fez na vida dessa irmã por meio do sofrimento que o Soberano me permite passar. E que, espelhado na experiência dela, meu irmão, minha irmã, você possa usar o seu sofrimento, e aquilo que com ele aprender, para a glória do Criador do Universo e para ajudar o seu próximo. Passo então a palavra a E.D.:



“Zágari, bom dia!



Talvez você tenha se perguntado: por que essa jovem do Maranhão me adicionou no Facebook? Quero rapidamente compartilhar contigo de que forma DEUS te usou pra me abençoar. Me chamo E.D., tenho 31 anos, casada, sem filhos, crente em Cristo Jesus, da igreja X.



Agora, onde você entra nisso tudo? Vou contar…






Sempre fui muito ativa, criativa, motivada e dedicada. Aos 24 anos comecei a sentir fortes dores nas costas, tórax, falta de ar e desânimo para realizar coisas simples. Depois essas dores se intensificaram e foi então que resolvi procurar auxílio médico. Para minha surpresa, nada aparecia nos exames. Foi então que, além da dor física, comecei a sofrer emocionalmente, pois caí em descrédito com minha família, amigos, esposo, no trabalho. Você deve saber a que me refiro: É isso sim! Fibromialgia. Fui diagnosticada formalmente somente este ano, pois até então eu não queria aceitar que tinha isso e infelizmente procurei os médicos errados e não atualizados a respeito do assunto. Por isso, tentei sufocar o assunto o máximo que pude!




Ao ser questionada, sempre tentava explicar às pessoas o que eu sentia. Mas como explicar o invisível? Tive depressão e síndrome do pânico, por ter a plena convicção de que ia morrer de tanta dor. E o pior: ninguém me entendia. De ativa passei a ser instável emocionalmente por conta das dores.


Foi aí que comecei a me ferir e me magoar com as pessoas. Não vou pormenorizar aqui o que vivi, mas, para você ter noção, até na igreja sofri preconceito. Bem, semana passada, ao acordar (SEM FORÇAS PARA TRABALHAR), não quis falar com DEUS. Simplesmente pensei: ‘Não vou falar com DEUS sobre esse assunto mais, tudo o que gostaria era de ser curada disso, ter uma vida normal como as pessoas normais que estudam e trabalham. Mas DEUS parece não ver minha disposição em querer muito isso’. Saí de casa decidida a deixar tudo: cargos na igreja, trabalho, toda e qualquer atividade e me isolar como uma ostra. Há dias em que só quero ter o direito de ficar no meu canto, sem falar com ninguém, ou mesmo sem explicar por que alguém tão comunicativa e brincalhona como eu não quer falar. Como esse direito eu não tenho, porque preciso me relacionar, decidi que em casa, bem fechadinha, poderia sentir dor e não ter que forçar sorrisos ou passar por alguém lábil!




Foi aí que na Internet, procurando artigos sobre fibromialgia, não sei como fui parar no teu blog. E, ao ver o artigo “E quando Deus não cura? – Parte 1/2″, o título me chamou a atenção. Na medida em que fui lendo, comecei a chorar. Pois, ao descrever tudo o que você sentia, fui tomada por uma empatia muito grande. Me reportei à minha vida. Vendo suas competências técnicas, sua disposição em levar o Evangelho a sério, vendo que trata-se de alguém que é de uma igreja genuinamente cristã, dei crédito ao que estava diante de mim e continuei a ler. Pois bem: o fato é que aquele post foi um bálsamo para minha vida. Não fui curada da doença, mas mudei minha percepção dela. De verdade!




Vi também que DEUS sempre quer nos ensinar e que eu preciso entender isso na prática, pois essa é a forma pedagógica de DEUS. Às vezes somos crentes meramente teóricos. Infelizmente alguns, como eu, até que passem pela vivência prática das lutas, são muitíssimo teóricos. Eu realmente pensei: ‘Se o Zágari consegue administrar esse problema, se consegue ser feliz apesar de tudo isso, talvez eu também consiga e me torne uma crente valorosa, piedosa. Meu caráter, vida, ações, tudo pode mudar, DEUS pode usar isso para moldar características em mim que até eu vejo e condeno’.




Esse texto enorme é para que saibas: você foi benção em minha vida apesar de suas limitações. E eu quero ser benção na vida de outros também – apesar das minhas. Certa vez li uma frase que dizia que DEUS não está tão interessado em mudar as circunstâncias do nossos meio como está em mudar as pessoas. É isso mesmo. Hoje estou com muita dor aqui no trabalho, mas com esperança de que tudo acabará bem.



Obrigada por chegar até o fim dessa mensagem e pela tolerância em me ‘escutar’.



Que DEUS em Cristo o abençoe!



E.D.



PS: Também fiz um trato com DEUS, de falar sobre o assunto com outras pessoas somente quando houver extrema necessidade. E de só falar para Ele minha dores. Pois só Ele me entenderá na totalidade!”



E aqui acaba o testemunho de E.D. Não preciso dizer que o li com lágrimas nos olhos. Olhei para trás, para os 16 anos de dor, e orei ao Senhor: “É, Deus… já serviu para alguma coisa”.




Jó sofreu demais. E até hoje, mais de 5 mil anos após ele ter caminhado sobre a terra, milhares e milhares de pessoas são abençoadas com seu testemunho de vida. E quero deixar essa reflexão a você, meu irmão, minha irmã: a coisa está difícil? Está doendo? O sofrimento está demais? Então cogite a possibilidade de Deus estar permitindo você passar por tudo isso para que mais à frente você ajude E.D.s que vão cruzar o teu caminho – vivendo dificuldades, com dores e sofrendo demais. Certamente, enquanto Jó raspava suas feridas ele não imaginava que sua história iria pelos milênios à frente ajudar tantos. Como a irmã Ruth Martins, que passou por uma experiência terrível mas espiritualmente enriquecedora, como relata em seu livro Há benefícios na dor (foto).




E você, será que consegue imaginar o que Deus tem preparado pelos anos à frente como fruto da sua dor? Se não consegue, não se preocupe: Ele sabe. O Onisciente sabe direitinho por que você está enfrentando essa luta tão difícil. E Ele está contigo todos os dias, até a consumação dos séculos – mesmo quando caem as lágrimas mais amargas.



Um beijo especial para E.D., que está suportando essa leve e momentânea tribulação sabendo que o que a espera é um grande peso de glória eterna.



E paz a todos vocês que estão em Cristo.


Blog de Maurício Zágari

apenas



Famosa Modelo Americana Abandona As Passarelas Para Seguir Jesus


Famosa modelo americana abandona as passarelas para seguir Jesus
Famosa modelo americana abandona as passarelas para seguir Jesus
Famosa modelo americana abandona as passarelas para seguir Jesus. A modelo americana Kylie Bisutti, de 23 anos, foi modelo de lingerie da grife Victoria’s Secret. Ela ganhou uma competição com mais de dez mil outras garotas, mas dois anos depois desistiu de viver sob os holofotes para dedicar sua vida a Jesus.
Kylie conta sua trajetória no livro “I’m no Angel” (Não sou um anjo, em tradução livre) e revelou, em entrevista ao New York Post, que não se sentia confortável em fazer poses provocantes e olhares sedutores para as câmeras dos fotógrafos e nas passarelas.
Nascida em Las Vegas, a capital dos cassinos, filha de um jogador de pôquer profissional e de uma dona de casa, Kylie sempre esteve envolvida na noite glamorosa dos cassinos da cidade e diz que nunca pensou em ser outra coisa que não modelo.
Aos 15 anos, ela foi convidada por uma colega de colégio a ir a um grupo de jovens da igreja. Kylie lembra que foi maravilhoso entender que Jesus morreu e sofreu por todos os seus pecados.
No entanto, o sonho de ser modelo nunca sumiu e, quando seu sonho se tornou realidade, ela percebeu que não era nada daquilo que ela havia imaginado.
Apesar de sempre se mostrar desconfortável com o lado provocativo de ser modelo de ligeries, Kylie conta que se esforçava para fazer um bom trabalho, afinal, ela havia escolhido a carreira.
No entanto, durante uma sessão fotográfica, Kylie afirma que um fotógrafo disse a ela que se ela quisesse ser uma modelo da Victoria’s Secret, ela deveria ser provocante.
“Se você quiser ser como Gisele [Bündchen] é isso que você terá que fazer”, disse o fotógrafo.
“Foi aí que me deu um ‘estalo’”, conta Kylie. “Estava sendo paga para posar e ser provocante para atiçar a imaginação dos homens. Aquilo não era mais sobre modelar, me senti como um pedaço de carne”, lembra.
Ela recorda que, no dia seguinte à sessão, chorou muito e questionou os planos de Deus para ela. Porque Ele havia feito Kylie ganhar o concurso se a faria sentir como estava se sentindo.
Dois anos mais tarde Kylie se mudou para uma cidade do interior e hoje dedica sua vida ao marido e a trabalhos voluntários na igreja. Hoje ela afirma ser uma esposa conforme Provérbios 31:30. A passagem diz: “Enganosa é a beleza e vã a formosura, mas a mulher que teme ao Senhor, essa sim será louvada”.
Atualmente, Kylie leva uma vida modesta sem luxos e sem os “milhões de dólares da época da Victoria’s Secret”, mas afirma que nunca esteve tão feliz. Ela está dedicando seu tempo uma coleção de roupas para mulheres cristãs e palestras nas quais ela mostra que ela é uma mulher como todas as outras.
Informações The Christian Post

JESUS NÃO FOI CRUCIFICADO. LEIA PARA ENTENDER.


O ÓDIO IRANIANO CONTRA O CRISTIANISMO
Um texto religioso encadernado em couro - provavelmente datado do século 5, porém descoberto há apenas 13 anos - vai causar o colapso do cristianismo no mundo inteiro, alega uma agência de notícias do Irã. O livro, escrito sobre pele curtida, aparentemente afirma que Jesus nunca foi crucificado e que Cristo previu a vinda do profeta Maomé. Escrito em siríaco (um dialeto do aramaico), o evangelho vaticinaria inclusive a chegada do último messias islâmico. As informações são da iraniana Basij Press e foram divulgadas pelo site conservador americano WorldNetDaily (WND).
Autoridades turcas acreditam que essa possa ser uma versão autêntica do evangelho escrito pelo discípulo Barnabé, e a imprensa iraniana afirmou que seu conteúdo vai desencadear a queda do cristianismo ao provar que o Islã é a verdadeira religião. Outras fontes, no entanto, julgaram as alegações improcedentes e a consideraram uma "risível" propaganda anticristã. ABasij Press informa que o texto foi escrito nos séculos 5 ou 6 e previu o surgimento de Maomé e da religião islâmica. Segundo a agência, o mundo cristão nega a existência de tal evangelho.
No capítulo 41 do Evangelho de Barnabé, estaria escrito: "Deus se escondeu enquanto o Arcanjo Miguel os levou (Adão e Eva) para fora do céu, (e) quando Adão se virou, ele notou que sobre a porta de entrada para o céu estava escrito La elah ela Allah, Mohamad rasool Allah", que significa "Alá é o único Deus e Maomé é seu profeta".
O texto teria sido confiscado em 2000 por autoridades turcas durante um trabalho de repressão sobre gangues acusadas de contrabando de antiguidades, escavações ilegais e posse de explosivos. A descoberta, contudo, só atraiu a atenção do mundo em fevereiro deste ano, quando foi informado que o Vaticano fez uma requisição oficial para ver o livro. Ainda não se sabe se o pedido foi atendido.
As origens do suposto evangelho são desconhecidas, mas o site National Turkafirmou naquele mês que o livro foi mantido no palácio da Justiça da capital turca, Ancara, e seria transferido sob escolta policial armada para o Museu Etnográfico da cidade. Para a Basij Press, a descoberta é tão importante que vai abalar a política mundial.
"A descoberta da Bíblia original de Barnabé vai agora comprometer a Igreja e sua autoridade e revolucionar a religião no mundo", escreveu a Basij Press em seu site. "O fato mais significativo, porém, é que essa Bíblia previu a vinda do profeta Maomé e comprovou a religião do Islã."
Apesar de autoridades turcas acreditarem que o texto é verdadeiro, outros questionaram sua autenticidade. Erick Stakelbeck, um analista de terrorismo e observador próximo dos assuntos iranianos, afirmou à WND que "o regime iraniano está empenhado em erradicar o cristianismo por qualquer meio necessário, ainda que isso signifique executar cristãos convertidos, queimar Bíblias ou invadir igrejas".
Escrevendo para o site Catholic Culture, o jornalista católico Phil Lawler descreveu o conjunto de alegações como "um risível desafio iraniano ao cristianismo". Ele afirmou que "se o documento foi escrito no século 5 ou 6, não pode muito bem ter sido escrito por alguém que estava viajando com São Paulo cerca de 400 anos antes. Deve ter sido escrito por alguém reivindicando representar São Barnabé. Devemos aceitar essa alegação?", indaga Lawler. "Tenha em mente que a datação do documento é fundamental. Por volta do século 7, não era necessária muita clarividência para 'prever' a aparição de Maomé."

domingo, 26 de maio de 2013

Manifestantes Contrários Ao Casamento Gay Protestam Pelas Ruas De Paris


Manifestantes contrários ao casamento gay protestam pelas ruas de Paris
Manifestantes contrários ao casamento gay protestam pelas ruas de Paris
Manifestantes contrários ao casamento gay protestam pelas ruas de ParisDezenas de milhares de manifestantes contrários ao casamento de pessoas do mesmo sexo marcharam no centro de Paris, neste domingo, em protesto contra uma lei impopular que o governo aprovou no mês passado ao custo de um aprofundamento da polarização política.
A histórica Esplanada dos Inválidos tornou-se um mar de manifestantes com bandeiras cor-de-rosa e azul, enquanto manifestantes de extrema-direita penduraram um cartaz na sede do partido governista da França, o Partido Socialista, pedindo a renúncia do presidente François Hollande.
Os protestos, que começaram como uma campanha popular fortemente apoiada pela Igreja Católica, tornaram-se um movimento maior com políticos da oposição e militantes da extrema-direita descontentes com Hollande.
Apesar de apenas pouco mais da metade dos franceses apoiar a lei que permite o casamento de homossexuais e a adoção de crianças, e mais de 70 por cento acreditarem que os protestos deveriam acabar, as manifestações contribuíram para as baixas taxas de popularidade de Hollande.
Embora não tenha conseguido evitar a aprovação do casamento gay, o movimento espera que a demonstração de força interrompa ou retarde outras leis que permitem a procriação assistida e as mães de aluguel para casais gays, que alguns socialistas buscam aprovar.
O ministro do Interior, Manuel Valls, mobilizou 4.500 policiais para garantir a segurança da manifestação. “Tememos medo de alguma ação por parte de grupos de extrema-direita”, disse o ministro, no sábado. “Aconselho as famílias com crianças a não aderirem a esta manifestação.”
Informações Reuters