sexta-feira, 14 de março de 2014

PSC se declara independente do governo e Feliciano pede rompimento total

O líder do partido na Câmara anunciou que passará a votar as matérias de maneira independente.
PSC se declara independente do governo e Feliciano pede rompimento totalAndré Moura e Marco Feliciano.


Nesta quarta-feira (12) o líder do Partido Social Cristão (PSC) na Câmara, André Moura (SE), anunciou que a sigla passaria a votar as matérias de maneira “independente”. A decisão do PSC não significa que o partido esteja rompendo com o Governo. “Não estamos rompendo nem aderindo à oposição”, disse Moura.
Apesar de não ter um número expressivo na Câmara dos Deputados, o PSC tem forte influencia na bancada evangélica, que representa um público estratégico para a presidente Dilma Rousseff.
“Vamos agir com independência e encaminhar as matérias da maneira que for melhor para o país”, afirmou Moura. “Vamos dizer ‘sim’ quando entendermos que for melhor e ‘não’ quando acharmos que não será melhor”, disse o parlamentar.
Logo após anunciar sua decisão um dos nomes mais influentes no partido, pastor Marco Feliciano (SP), usou o Twitter para pedir que o PSC rompa em definitivo com o Governo.
“Peço ao PSC Nacional na pessoa do líder André Moura e ao Presidente Everaldo que de uma vez por todas rompam com esse Governo arrogante!”, disse o deputado.
A bancada evangélica é composta por 70 parlamentares de 15 partidos. A Câmara dos Deputados tem um total de 513 deputados federais. Caso se confirme o rompimento do PSC com o governo Dilma, a presidente pode perder os principais aliados para a conquista do segmento evangélico.
A bancada do PMDB também havia decidido votar as matérias de forma independente e chegou a defender que a aliança nacional com o PT, firmada nas eleições de 2010, seja rediscutida pela Executiva Nacional do partido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário