segunda-feira, 29 de junho de 2020

Missionário é parado com carregamento de Bíblias em país proibido e veja só o que Deus fez.

Um missionário trabalha para o Reino de Deus transportando bíblias para países onde a mesma não é bem vinda. Ele estava indo ao encontro de cristãos secretos, que residem no Oriente Médio, até se deparar com um grande desafio em uma barreira policial.
Dessa vez a viagem não saiu como o esperado, pois ao passar pela Alfândega os policiais pararam o missionário chamado Jhon – que não teve seu verdadeiro nome revelado por razões de segurança.
O cristão esperava que os policiais não pedissem para abrir suas malas para serem revistadas, mas não foi isso que aconteceu. Os policiais viram as Bíblias e perguntaram a John para quem e para onde estavam levando, pois eram muitas bíblias.
“Abri a mala”, lembra John. “O homem abriu vários dos meus ‘presentes’ especiais e me perguntou para quem eram esses presentes ou onde eu queria vendê-los. Eu disse a ele que pessoalmente queria dar esses presentes para agradecer às pessoas por serem tão hospitaleiras no país”.
A resposta não convenceu e Jhon foi levado para a delegacia, onde foi interrogado toda a noite. Durante uma conversa com um dos policiais, o missionários soube que o pai de um deles estava enfermo, e logo se ofereceu para orar por ele. O policial aceitou e percebeu algo diferente no missionário.
“O homem disse que eu era diferente dos outros”, conta John. “Comecei a conversar com ele. [Depois de um tempo] ele me disse que seu pai estava gravemente doente”.
O missionário compartilhou sua vida e a Palavra de Deus com ele, que entendeu o veio a entregar sua vida a Cristo. “Ele aceitou Jesus como seu Salvador”, disse Jhon. “Eu tinha lágrimas nos meus olhos.”
Logo depois, o policial perguntou a John se o motivo dele estar ali era por causa das bíblias. Ele disse que sim. O policial entregou as Bíblias ao missionário e ele foi liberado para seu destino.
“Desde que minha mala foi aberta até quando entrei novamente no avião, agradeci ao Senhor”, disse ele, segundo informações da Portas Abertas.
“Eu tive paz – a paz de Deus que transcende todo entendimento. Eu vi a mão de Deus em tudo o que aconteceu. Foi diferente do que eu havia planejado. Ele decidiu mudar tudo para salvar essa única alma. Eu era apenas um espectador. Graças a meu pai, obrigado Jesus”, conclui o missionário.

segunda-feira, 22 de junho de 2020

“Querem prender os que vão à igreja, mas não os que queimam igrejas”, diz Trump

Redação JM Notícia

O candidato à reeleição alertou os norte-americanos contra a permissão da "esquerda radical" para controlar o país através do candidato presidencial democrata Joe Biden

Presidente Donald Trump em um comício de campanha em Tulsa, Oklahoma | 
Captura de tela / C-SPAN
Neste sábado (20), o presidente dos Estados Unidos Donald Trump falou contra a hipocrisia de seus opositores por apoiarem os protestos do Black Lives Matter que queima igrejas
Ao mesmo tempo, esses mesmos opositores pediam a prisão de quem quer ir para a igreja. Trump está em campanha para reeleição e discursava em Tulsa, no estado de Oklahoma.
“Joe Biden e os democratas querem processar os americanos por irem à igreja, mas não por queimarem uma igreja”, disse o presidente republicano.
“Eles acreditam que você pode se revoltar, vandalizar e destruir, mas você não pode participar de uma manifestação pacífica e pró-América”, continuou ele destacando o padrão duplo dos democratas.
“Eles querem punir seu pensamento, mas não os crimes violentos”, declarou Trump. “Joe Biden se rendeu ao seu partido e à multidão de esquerda. Ele não tem controle. Alguém honestamente acha que ele controla esses maníacos radicais?”, questionou.
O candidato à reeleição alertou os norte-americanos contra a permissão da “esquerda radical” para controlar o país através do candidato presidencial democrata Joe Biden
“A escolha em 2020 é muito simples”, disse. “Você quer se curvar diante da multidão de esquerda ou quer se levantar alto e orgulhoso como os americanos?”, perguntou.
Na visão de Donald Trump, a “esquerda enlouquecida” está tentando vandalizar a história dos EUA. Ele se refere a onda de ataques e destruição de grandes símbolos da história feita pelos grupos antifascistas e antirracistas que estão praticando atentados em vários pontos do país nas últimas semanas.
Ataques à história
Na Califórnia, na sexta-feira, manifestantes derrubaram uma estátua do padre Junipero Serra no Golden Gate Park, em São Francisco. Serra era um missionário da Espanha que viajou para o México na década de 1700 para compartilhar o Evangelho. Eles também destruíram uma estátua de Ulysses S. Grant, um republicano que ajudou a derrotar os confederados e a vencer a Guerra Civil. Grant foi eleito mais tarde como o 18º presidente dos Estados Unidos.
Na noite de quinta-feira, manifestantes em Portland, Oregon, derrubaram uma estátua de George Washington, o primeiro presidente do país, e colocaram uma bandeira dos EUA no topo da cabeça da estátua e a incendiaram. Depois que a estátua caiu no chão, outra bandeira dos EUA foi incendiada e urinada.
Em resposta, o presidente disse: “Não estamos em conformidade, é por isso que estamos aqui, na verdade. Essa campanha cruel de censura e exclusão viola tudo o que consideramos querido como americanos. Eles querem demolir nossa herança para poder impor seu novo regime repressivo em seu lugar”, completou. Com informações Infowars e Christian Post.

segunda-feira, 15 de junho de 2020

Misael diz que morte do pastor Anderson foi por “ambição”

Vereador disse que o assassinato do pai adotivo dividiu a família
Pastor Anderson do Carmo, vereador Misael e a deputada Flordelis Foto: Reprodução

Em uma entrevista concedida ao jornal Extra e publicada na véspera da data em que o assassinato do pastor Anderson do Carmo completará um ano, o vereador de São Gonçalo, Wagner dos Santos, conhecido como Misael, voltou a falar sobre o crime.
Durante a conversa, Misael afirmou que a morte do pastor envolveu motivações como ambição pelo poder e controle financeiro. O vereador rompeu relações com a mãe adotiva, a deputada federal Flordelis, após o crime.
Continuo mantendo minha fala de que foi questão de ambição em relação ao poder, controle de tudo, incluindo o financeiro. Porque ele (Anderson) era muito controlador e isso incomodava – disse.
Questionado se acredita no envolvimento de outros membros da família no crime, além dos irmãos Lucas e Flávio dos Santos, Misael disse que as investigações e as provas apontam nesse sentido. Entretanto, o vereador não chegou a entrar em detalhes sobre quais exatamente seriam os indícios que comprovariam o fato.
– Sim, acredito por tudo que eu vi na casa e pelas provas que existem no inquérito policial. Está em segredo de Justiça, por isso não vou entrar em detalhes, falar nenhum nome. Mas eu acredito que há outras pessoas envolvidas direta e indiretamente no crime.
O político também falou sobre a situação da família após o crime. Segundo ele, com a morte de Anderson do Carmo o núcleo familiar ficou completamente dividido entre os que querem justiça e os que, aparentemente, não querem.
– A morte dele causou um rompimento familiar e afastamento por uns quererem justiça e outros, aparentemente, não. Acabou quebrando toda a corrente familiar. O elo todo acabou sendo quebrado – completou.

domingo, 7 de junho de 2020

"Estão somando num dia registros atrasados de meses", diz Osmar Terra sobre mortes

Fonte Partido Brasil"Estão somando num dia registros atrasados de meses", diz Osmar Terra sobre mortes

Diariamente o Ministério da Saúde tem informado o número de mortos pelo coronavírus, enquanto a grande mídia, por sua vez, parece ter transformado esses dados em um momento de propagação do pânico entre a população, reportando números que não são explicados como deveriam.

O motivo disso está no fato de que o número de registro de mortos em 24 horas não significa a ocorrência de mortes em 24 horas. Em outras palavras, uma coisa é o registro de mortes feito em um dia e outra bem diferente é o número de pessoas que morrem em um dia.
Essa diferença ocorre porque, entre outros motivos, há um atraso na notificação das mortes, visto que a real causa da morte precisa ser confirmada. Assim, muitas vezes mortes que ocorreram dias, semanas e até meses atrás podem ser registradas em 24 horas, todas de uma só vez, causando a impressão de que esse é o número de ocorrências em um dia, quando não é.

É perfeitamente possível comprovar isso, por exemplo, através dessa publicação feita pelo Ministério da Saúde, onde o órgão explica os números lançados dias atrás. Nessa ocasião, a grande mídia divulgou - de forma falsa - que houve no país 1.188 mortes em 24h, mas o próprio Ministério desmente no seguinte trecho:

"Até o momento, o país registra 18.508 óbitos, sendo que 1.188 foram registrados nos sistemas de informação oficiais do Ministério da Saúde nas últimas 24h, apesar de a maioria ter acontecido em outros dias. Isso porque as notificações ocorrem apenas após a conclusão da investigação dos motivos das mortes. Desse total, 311 mortes ocorreram, de fato, nos últimos três dias e outras 3.534 estão em investigação."


Osmar Terra questiona


A explicação detalhada sobre a diferença entre registro de morte e ocorrência de morte foi oferecida pelo Opinião Crítica, com base também em uma crítica do jornalista Guilherme Fiuza. Mais recentemente, porém, quem também questionou a forma como esses dados são divulgados foi o médico e deputado Osmar Terra.

"Número de óbitos p dia da Covid 19 divulgados pelo MS, NÃO É REAL para o dia. Também a frase de efeito do @gugachacra que está morrendo 1 brasileiro por minuto. Embora cada morte seja uma tragédia, nunca morreram 1.000 pessoas/dia. Estão somando num dia registros atrasados de meses", afirmou o deputado.

Como referência, Osmar Terra publicou uma nota da Secretaria de Saúde de Pernambuco, onde os dados referentes ao estado foram detalhados.

Essa explicação, evidentemente, não ignora o número de mortos pelo coronavírus. Ela apenas demonstra que parte da mídia parece estar, sim, mais interessada em explorar o pânico da população do que de informar a verdade dos fatos.

Confira abaixo:

Número de óbitos p dia da Covid 19 divulgados pelo MS, NÃO É REAL para o dia.Também a frase de efeito do @gugachacra que está morrendo 1 brasileiro por minuto.Embora cada morte seja uma tragédia,nunca morreram 1.000 pessoas/dia. Estão somando num dia registros atrasados de meses

View image on Twitter