segunda-feira, 17 de agosto de 2020

Morre aos 103 anos o PB Ademar Vergilio de Lima,um amigo que me deu as primeira oportunidade para ler uma palavra de Deus.

Morreu hoje aos 103 anos o Presbítero  Ademar Vergilio de Lima, atualmente morava em Terra de Areia RS.
Um amigo  irmão em Cristo que no ano de 1980 me deu as primeira oportunidade para ler uma palavra de Deus e trazer um testemunho, homem simples que não sabia ler nem escrever, mais que deixou uma legado, uma historia.

Tive a alegria de a menos de 2 anos visitá-los e lembrarmos os tempos que cantamos um corinho mais ou menos assim.

O Deus de Daniel os teus servos estão aqui abre as janelas do céu, e deixa o fogo santo sobre noz cair.

Deixo aqui meus sentimento a família de nosso inesquecível amigo.


sábado, 15 de agosto de 2020

Barco afunda com 12 pastores no Pará; Corpo é encontrado

Grupo estava indo para convenção
Corpo de pastor foi encontrado após naufrágio Foto: Reprodução
O corpo do pastor Welleson Machado, de 32 anos, da Assembleia de Deus de Igarapé-Miri, no Pará, foi encontrado neste sábado (15), na baía de Marajó. O religioso estava em uma embarcação que naufragou nesta sexta (14), com outros 11 pastores.
Segundo o Corpo de Bombeiros, uma equipe de mergulhadores encontrou o corpo do pastor.
O barco saiu da cidade de Abaetetuba, também no Pará, com destino à ilha de Marajó, onde o grupo participaria de uma convenção. O naufrágio aconteceu 30 minutos após a partida.
Todos os outros religiosos conseguiram ser resgatados por moradores de uma ilha próxima do acidente.
Ainda não se sabe a causa do naufrágio. 

sábado, 8 de agosto de 2020

China exige que igrejas elogiem regime comunista se quiserem reabrir

Uma igreja em Henan foi impedida porque as autoridades comunistas não aprovaram o sermão do pastor
Uma igreja em Henan foi impedida de prestar serviços porque as autoridades comunistas não aprovaram o sermão do pastor
No auge da pandemia de coronavírus, as igrejas da rede aprovada pelo governo da China foram forçadas a fechar suas portas. Agora, se eles querem reabrir, devem primeiro concordar em elogiar o presidente Xi Jinping e exaltar seu regime comunista

De acordo com a Bitter Winter , uma revista sobre questões de liberdade religiosa na China, o Departamento de Assuntos Religiosos de Zhengzhou divulgou uma lista de 42 itens de pré-requisitos para igrejas que procuram reabrir para congregantes.


A lista inclui ordens para “intensificar a educação patriótica” e “estudar as políticas religiosas da China”. As igrejas também são compelidas a promover a chamada campanha dos “quatro requisitos”, iniciada em 2018, para promover a “sinicização” da religião, na qual culturas não chinesas assimilam a influência chinesa.
O inverno amargo definiu os “quatro requisitos” desta maneira: “erguendo ritualmente a bandeira nacional, frequentemente enquanto cantava o hino nacional; ensinar crenças sobre e promover a constituição, leis e regulamentos chineses; pregando e promovendo os ‘valores socialistas centrais’; e promovendo a ‘excelente cultura tradicional da China’ ”.
“Em vez de um sermão normal, o pregador falou sobre o patriotismo dos trabalhadores médicos durante a epidemia e seu sacrifício ao estado”, disse um membro de uma igreja de três pessoas (apoiada pelo governo) ao Bitter Winter. “Essas coisas são importantes, mas as questões políticas foram discutidas pela metade do tempo. Muitos crentes reclamaram depois. ”
As igrejas, no entanto, que não cumprem as dezenas de requisitos exigidos pelo governo agora podem reabrir.
Uma igreja em Henan foi impedida de prestar serviços porque as autoridades comunistas não aprovaram o sermão do pastor, mesmo que elogiasse os trabalhadores médicos por seu heroísmo no auge da epidemia.
Um diácono da igreja disse à revista: “Nenhum dos 11 locais de culto em nossa região foi aprovado para reabertura. Estávamos ocupados nos preparando para atender aos requisitos de reabertura, mas o governo tornou as coisas difíceis para nós em todos os aspectos. ”
Além de elogiar a China, seu governo de partido único e o tratamento da epidemia de coronavírus por Xi, os ministros das igrejas apoiadas pelo governo também foram mandatados para difamar os Estados Unidos. Um pastor admitiu que “tinha que pregar conforme exigido pelo estado” porque, se não tivesse, “a igreja não teria reaberto”.
“O governo disse que as igrejas devem pregar sobre assuntos nacionais, se quiserem reabrir”, disse um freqüentador de igreja de Sanmenxia. “Com os discursos de Xi Jinping como conteúdo principal, é melhor que as igrejas não reabram.”
Enquanto isso, como a Faithwire relatou longamente, o governo chinês continua seu ataque ao cristianismo, derrubando cruzes de igrejas e destruindo centros de culto em todo o país.
A liderança comunista do país também está cometendo o que alguns chamam de genocídio contra sua população muçulmana minoritária , forçando-os a campos de concentração. O regime de Xi apelidou de “campos de reeducação”.

A senadora Dianne Feinstein (Califórnia) acredita que a China é “uma nação respeitável entre as nações”. 
Por

sexta-feira, 7 de agosto de 2020

Pastor no Líbano relata situação após explosão: “Ninguém sobrou pra dizer a verdade”



A grande explosão que ocorreu em Beirute, capital do Líbano, na última terça-feira (04), ainda está cercada de mistérios. Tudo o que se pode observar até o momento é um cenário de destruição, sofrimento e desespero, segundo um pastor que vive na região.
Said Deeb, da Church of God Bourj Hammoud, comparou a destruição ocorrida em Beirute à explosão nuclear na cidade de Hiroshima, no Japão, durante a 2ª Guerra Mundial.
O líder religioso explicou que por ter sido no porto, região vital para o escoamento de mercadorias, Beirute – consequentemente todo o Líbano – foi afetado em sua capacidade de manter o alimento da sua população.
“E explosão eliminou o porto, as reservas alimentares e uma grande parte da cidade… Hiroshima potência 2”, escreveu o pastor em sua rede social. O impacto da explosão foi tão grande que os efeitos foram sentidos a quilômetros de distância.
Said Deeb, da Church of God Bourj Hammoud, comparou a destruição ocorrida em Beirute à explosão nuclear na cidade de Hiroshima, no Japão, durante a 2ª Guerra Mundial.
O líder religioso explicou que por ter sido no porto, região vital para o escoamento de mercadorias, Beirute – consequentemente todo o Líbano – foi afetado em sua capacidade de manter o alimento da sua população.
“E explosão eliminou o porto, as reservas alimentares e uma grande parte da cidade… Hiroshima potência 2”, escreveu o pastor em sua rede social. O impacto da explosão foi tão grande que os efeitos foram sentidos a quilômetros de distância.
“Esta foi um crença generalizada, mas até essa hora ninguém sabe exatamente como aconteceu, porque todo mundo lá no porto está morto, ninguém sobrou pra dizer a verdade, então eu não culpo ninguém”, disse ele. Assista abaixo:

Em carta, Líbano pede comida, remédios e dinheiro ao Brasil

 Brasil tem comunidade libanesa de 10 milhões de pessoas
O governo do Líbano enviou ao Brasil cartas listando itens e bens de necessidade emergencial após a tragédia no porto de Beirute nesta semana. Entre os produtos listados, o país pede comida, medicamentos e até materiais de construção, como vidro, alumínio e material elétrico.
A carta foi disseminada para vários grupos pelo consulado do Líbano em São Paulo. A comunidade libanesa no Brasil, entre nativos e descendentes, chega a 10 milhões de pessoas, número maior do que a própria população do Líbano.
– A explosão, como todo mundo viu, deixou o país numa situação de calamidade lamentável. Já estava passando por uma crise econômica série, uma pandemia difícil e, para piorar, teve a destruição em massa de habitações, de hospitais, depósitos para alimentares no porto além de feridos e dos mortos – disse o governo libanês.
Ainda no documento, Beirute solicita “ajuda médica de qualquer tipo – hospitais de campanha, material cirúrgico e especialmente medicamentos”. Além de alimentos como trigo e farinha, “todo tipo de grãos”, “até poder repor o que foi queimado nos depósitos portuários”.
O pedido também se estende materiais de construção civil, dado o grande número de pessoas que perderam suas casas. O governo também indica que uma “ajuda monetária será bem-vinda”.
Com medicamentos em falta, o governo libanês também pede o envio de insulinas, anticoagulantes, antibióticos, vacinas, remédios para tratar câncer, analgésicos e uma série de outros produtos médicos.

Gabriela Doria  EM PLENO.NEWS 

quinta-feira, 6 de agosto de 2020

Jornalista que sugeriu ‘sexo entre ministra Damares e Jesus Cristo’ morre de infarto

Damares processava o jornalista por uma matéria ofensiva publicada em novembro de 2019.

 ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, foi surpreendida ao saber da morte do jornalista Nirlando Beirão, redator-chefe da revista Carta Capital. Beirão tinha 71 anos e morreu no dia 30 de abril, ao sofrer um infarto.
A ação na Justiça ocorreu por causa da reportagem intitulada “Mulheres que envergonham as mulheres”. O jornalista chegou a atacar a ministra ao falar da experiência que ela teve com Jesus após ser abusada durante a infância.
“Estou estarrecida que a Carta Capital tenha sugerido a pedofilia como cura da alma para uma menina de oito anos barbaramente estuprada! É um absurdo!!! Precisamos denunciar os diversos crimes injetados e praticados nesta publicação”, postou Damares, na ocasião, em suas redes sociais.
O trecho ao qual a ministra se referia fazia diversas ofensas contra ela, e chegou ao ponto de insinuar que Damares “perdeu a oportunidade” de fazer sexo com Jesus.
“Ela não ofende a mim como mulher adulta apenas, ela ofende a mim e a milhares que passam pelo martírio do abuso. Já eu, continuo meu trabalho de ampliação da rede e programas de proteção a mulher e combate a pedofilia. Brasil! Me ajude a denunciar este asqueroso crime!”, completou.
 Por Wanderson Pontes Ver Perfil - Portal de Prefeitura

terça-feira, 4 de agosto de 2020

URGENTE: TSE deve retomar dia 13 julgamento sobre punir ‘abuso de poder religioso

A discussão foi interrompida no semestre passado por um pedido de vista (mais tempo para análise) do ministro Tarcísio Vieira, que já liberou o caso para o julgamento.
Projeto é contra a legislação e um perigo para o segmento religioso. Foto: Reprodução
O plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deve retomar no dia 13 de agosto a discussão sobre incluir o abuso de poder religioso como motivo para a cassação de políticos, segundo o Estadão apurou. Atualmente, o tribunal entende que apenas o abuso de poder político e econômico podem resultar na perda do mandato. A ideia proposta pelo ministro Edson Fachin, ainda está em fase inicial, mas já provocou forte reação nas redes sociais porque é uma verdadeira perseguição contra o segmento religioso
A discussão foi interrompida no semestre passado por um pedido de vista (mais tempo para análise) do ministro Tarcísio Vieira, que já liberou o caso para o julgamento.
Três ministros do TSE ouvidos reservadamente pela reportagem avaliam que o desfecho da discussão é imprevisível. O principal ponto em discussão é criar um novo tipo de abuso que seja punível do ponto de vista eleitoral, um debate considerado pelos magistrados “muito delicado” e “disputado”. “O que ocorre é que se trata de um tema novo, sem jurisprudência firmada, o que acarreta um estudo mais profundo”, disse um ministro, que pediu para não ser identificado.
Conforme informou o Estadão, deputados da Frente Parlamentar Evangélica preparam uma ofensiva para barrar a possibilidade de o TSE punir o abuso do poder religioso. O grupo pressiona os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e conta com o apoio do presidente Jair Bolsonaro. Além disso, os deputados apostam na mobilização de fiéis.
Por

sábado, 1 de agosto de 2020

Impedir cultos pode custar caro a prefeitos nas próximas eleições, diz cientista político

As próximas eleições podem ser marcadas por uma resposta de evangélicos e seguidores de outras religiões a prefeitos que vêm dificultando a reabertura de templos. Um cientista político acredita que as urnas poderão evidenciar aos candidatos como o comportamento ao longo da pandemia foi percebido pela população.
A suspensão dos cultos presenciais durante os primeiros meses da pandemia do novo coronavírus foi compreendida pelos fiéis e líderes evangélicos como uma contribuição necessária, mas agora, diante do processo de retomada das atividades econômicas, alguns prefeitos ainda resistem a liberar a reabertura dos templos.
Jornal da Record ouviu o cientista político Pedro Costa, sobre o tema: “Nessas eleições, 2020, o recado vai ser dado nas urnas. Os prefeitos que se colocam contra à reabertura desses templos, e que eventualmente se colocaram a favor à reabertura de outros espaços, análogos, semelhantes, certamente vão ser punidos por essas comunidades de fiéis nas urnas”.
A reportagem da Record TV fez um levantamento apontando que aproximadamente 400 cidades no país ainda mantém restrições ao funcionamento dos templos, e citou, dentre outros, o exemplo do prefeito de Porto Alegre (RS), Nelson Marchezan Junior (PSDB).
Do ponto de vista social, a contribuição das igrejas e demais templos é vista pela psicanalista Valéria Amódio como essencial para a manutenção da saúde mental: “Essa experiência emocional é muito importante”, disse ela, sobre a participação nos cultos. “E nela vem, sim, a fé, porque aí a gente consegue detectar e conversar com nossos sentimentos, acolher o sentimento, seja ele ruim ou bom, e conseguir transformar”, acrescentou.
O aumento dos casos de violência doméstica durante o período de confinamento é outro aspecto abordado pela reportagem. A especialista no assunto Patrícia Alonso observa que as igrejas e demais templos têm um papel importante para evitar que a agressão se intensifique e se torne algo mais grave: “Essa pessoa não tem para onde ir, e aí ela vai para a igreja, é o único lugar que ainda está aberto para as missas, para os cultos. E nesse contexto de violência doméstica eu vejo que é o único lugar que ela ainda pode chegar, se abrir, e ter socorro”, comentou.
“Hoje, nesse período de pandemia, a igreja está fazendo colaboração de interesse público”, reiterou Patrícia Alonso.
O bispo Cristiano Guimarães, da Igreja Sara Nossa Terra, destacou a necessidade intrínseca ao ser humano de buscar o transcendente ao enfrentar adversidades: “A fé é um instrumento de crescimento, de fortalecimento na vida das pessoas. Então, no momento de crise a fé é muito importante, a fé sustenta as pessoas nesse momento”, disse ele.
A mesma visão é compartilhada pelo bispo Vladimir Romera, da Igreja Renascer em Cristo: “Principalmente agora, nessa época de pandemia, é muito satisfatório, porque nós descobrimos o sentido da nossa vida em poder ajudar o próximo”, comentou.