segunda-feira, 9 de novembro de 2020

Vítimas do COVID da Coreia do Norte morrendo de fome em campos de quarentena, diz ativista cristão

 "Eles são privados de comida, água e remédios, fazendo com que muitos morram de fome", revelaram ativistas cristãos.


Nesta foto de arquivo, uma criança norte-coreana atrofiada está de pé com uma pá em um campo de milho murcho em uma parte do país atingida pelo desastre. | (FOTO: REUTERS / TIM LARGE)

Cidadãos norte-coreanos infectados com COVID estão sendo colocados em “campos de quarentena”, onde são privados de comida, água e remédios, fazendo com que muitos morram de fome, revelaram ativistas cristãos. 

Tim Peters, um ativista cristão que dirige uma organização sem fins lucrativos Helping Hands Korea, disse ao The South China Morning Post que fontes no Norte relataram o estabelecimento de “campos de quarentena” da COVID em cidades próximas à fronteira chinesa.

“Uma das informações mais alarmantes que chegou até nós é que o governo da RPDC está fornecendo o mínimo ou nenhum alimento ou remédio para aqueles que estão enterrados lá”, disse Peters, usando a sigla para República Popular Democrática da Coréia. 

“Portanto, cabe às famílias dos cidadãos em quarentena chegar até os limites dos campos e trazer comida para manter vivos os parentes em quarentena, juntamente com todos os recursos de saúde que eles possam reunir, sejam medicamentos comprados vendidos nos mercados jangmadang ou até mesmo remédios caseiros à base de ervas colhidos nas encostas das montanhas. Minhas fontes indicam que muitos desses campos já morreram, não apenas de pandemia, mas também de fome e causas relacionadas. ”

Peters, cuja ONG entrega suprimentos médicos e outros para a Coreia do Norte, acrescentou que os relatórios corroboram o testemunho de sobreviventes dos campos de prisioneiros do país. Nesses campos, “fornecer uma quantidade absolutamente mínima de comida” é uma prática comum, fazendo com que muitos presos morram de fome.

“Em suma, minha impressão é que a situação referente ao COVID-19 dentro da Coreia do Norte é gravemente séria”, disse ele.

David Lee, um pastor que trabalha com desertores norte-coreanos em Seul, disse ao canal que aqueles que mantiveram contato com parentes ainda no país restritivo relataram casos de pessoas com sintomas de COVID “sendo forçadas ao isolamento, ou fechadas em seus lares sem comida ou outro sustento e deixados para morrer ”.

Lee disse que as autoridades norte-coreanas “não têm kits de teste adequados” para rastrear ou impedir o que é conhecido no país como “doença fantasma”.

Outro ativista de direitos humanos baseado na Coreia do Sul, falando sob condição de anonimato, acrescentou que as autoridades incineraram vários corpos após um caso suspeito de coronavírus envolvendo um comerciante transfronteiriço.

O ativista disse: “As autoridades centrais de inspeção vieram de Pyongyang e queimaram todos os corpos. Os moradores estão muito ansiosos. ”

No mês passado, durante uma parada militar em comemoração ao 75º aniversário da fundação do Partido dos Trabalhadores, o líder norte-coreano Kim Jong Un disse que estava grato por ninguém em seu país ter contraído o “vírus maligno”.

“O fato de termos defendido todo o nosso povo da perniciosa doença epidêmica que varre o mundo inteiro pode ser considerado um dever natural e um sucesso de nosso Partido”, declarou.

site do CDC observa que a Coreia do Norte não relatou dados sobre os casos de COVID-19 à Organização Mundial da Saúde.

Os abusos dos direitos humanos ocorridos sob o regime de Kim estão bem documentados. A Coreia do Norte é classificada como o perseguidor número um de cristãos no mundo pela Open Doors 2020 World Watch List .

Um novo relatório da Iniciativa do Futuro da Coreia, sediada em Londres, detalha a natureza horrível dos campos de prisioneiros do país, onde centenas de milhares de cristãos e outras minorias religiosas são mantidos. 

O relatório, intitulado Perseguindo a fé: documentando violações da liberdade religiosa na Coréia do Norte , reconta várias histórias de perseguição envolvendo execuções públicas, violência sexual, espancamentos, tortura e abortos forçados.

Em um relato, uma pessoa foi executada por um pelotão de fuzilamento na frente de mais de 1.000 pessoas. Os prisioneiros também foram executados depois que seus guardas encontraram uma Bíblia ou outro material religioso em suas celas.

Il-lyong Ju, um exilado defensor dos direitos humanos que ajudou a elaborar o relatório, disse no prefácio do relatório: “As ações cruéis dos poucos privilegiados na Coreia do Norte que tiram nossas vidas e controlam nossos pensamentos devem ser evitadas. Autoridades norte-coreanas, cujos crimes evocam pensamentos de Auschwitz, devem ser identificados e responsabilizados. E não devemos esquecer os testemunhos dos sobreviventes neste relatório que dominaram a morte na Coreia do Norte. “

“Isso é o mínimo que nós, os norte-coreanos livres, e você … a quem foi concedida liberdade ao nascer, podemos fazer como nosso ato coletivo de humanidade. Temos liberdade. O povo norte-coreano não tem.”

(Com Christian Post) 

Por

 Heleno Farias JM Notícia

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário